Podcast: Tem criança no home office. E agora?
 Publicado: 24/05/2017 Atualizado: 30/05/2017

Podcast: Tem criança no home office. E agora?

Qual é o impacto que a chegada dos filhos tem na vida do profissional que trabalha em casa? É possível se manter produtivo?
  Por Henrique Pochmann
Robert Kelly teve o home office invadido por seus filhos em transmissão ao vivo para a BBC


[download] [feed] [itunes]

O objetivo desse podcast é mostrar o impacto que a chegada de um filho tem na vida do profissional que trabalha em casa. Será que isso mexe com a produtividade? Deixa o profissional mais inspirado, mais motivado pra trabalhar? Ou faz ele perder o foco profissional, pelo menos por um tempo?

Se você por acaso tá aguardando a chegada de um filho, espero que o papo aqui sirva pra te preparar para as mudanças que estão chegando. E se você não tem filho e nem tá aguardando um, é bom você ouvir esse podcast pra saber como você pode se relacionar melhor com parceiros e clientes que tem filhos pequenos em casa.

Aperte o play e bom podcast! :)

Participantes deste episódio

Henrique Pochmann
Aparelho Elétrico

Freelancer em design gráfico Dani Lima

Dani Lima
Chá com Design e Cartas Criativas para Otimistas Incuráveis

Freelancer em produção de conteúdo e social media Marcia Breda

Marcia Breda
Adoro Home Office

freelancer em user interface design renato contaifer

Renato Contaifer
Renato Contaifer
Startaê
Officeless

Timeline do podcast

Abertura

  • Cadastre-se na newsletter do Aparelho Elétrico;
  • Avalie o Aparelho Elétrico no iTunes. Dentro do iTunes, busque por “Aparelho Elétrico” e vá em frente até chegar na tela abaixo.

    avalie-o-podcast-do-aparelho-eletrico-no-itunes

  • Freelancer Full Folio – Um tema Premium para sites de freelancer;
  • Freelancer Doc Box – Caixa virtual de documentos essenciais para freelancers;

Leitura de Comentários

  • Alerta Amarelo!;
  • Da dificuldade do designer encontrar um profissional de programação para parceria;
  • Parcerias na área de jornalismo e social media;
  • Será que você está sendo um cliente legal para o seu parceiro?;
  • Uso do contrato em uma parceria;
  • Relacione os pagamentos com as entregas;
  • Cuidado com os diversos tipos de escopos de projeto;

Pauta do Programa

  • Dia das Mães;
  • Crianças no tablet;
  • Preparação pro nascimento de um filho;
  • Coworkings especialmente preparados pra pais;
  • O antes e o depois;
  • Um pequeno pânico permanente;
  • Pais exercitando a flexibilidade;
  • Grupo Facebook Maternativa;
  • Licença maternidade;
  • Alterações no Home Office para segurança da criança;
  • Escritório separado da casa ou em um espaço coletivo?
  • Deixar claro para os clientes que você tem filhos;
  • Primeiro vídeo do comentarista da BBC;
  • Segundo vídeo com a família explicando o que aconteceu;
  • Uma nova geração de crianças acostumadas ao Home Office;
  • Anúncios de emprego que solicitam mulheres sem filhos;
  • Os pais têm obrigação de participar da criação;
  • Rotina matinal com filhos;
  • Trabalhar e cuidar dos filhos simultaneamente;
  • Crianças no tablet II;
  • Site Paizinho Vírgula!;
  • TED / Adora Svitak: What adults can learn from kids

Você tem filhos, como tem sido essa experiência?

Quero muito saber a sua opinião sobre o assunto. Deixe a sua participação nos comentários e vamos levar o assunto adiante.

Equipamentos utilizados nessa gravação

Placa de som – Presonus Audiobox USB
Fone de Ouvido – Marshall Major Brown
Microfone – Condensador BM-800
Tablet – iPad Air

Posso te pedir um favor?

Se você acha que esse conteúdo é útil, compartilhe ele nas suas redes sociais. Isso ajuda o Aparelho Elétrico a continuar publicando conteúdo de qualidade de forma gratuita.

Cadastre-se na nossa newsletter e seja avisado da publicação de novos podcasts como esse. Basta colocar seu e-mail no box abaixo.

Abraço e até a próxima!

Curta o Aparelho Elétrico no Facebook
Hey, GOSTOU DESTE POST?
Assine GRÁTIS nossa newsletter e receba nossas atualizações antes de todo mundo.

Você ainda leva uma cópia do “O Incrível Manual do Freelancer Moderno” direto no seu e-mail e sem pagar um tostão por isso.
 Enviamos conteúdo relevante, sem spam. E você pode se descadastrar quando quiser.
Publicado por:
Henrique Pochmann

Criou o Aparelho Elétrico em 2014. Produz e apresenta o podcast do blog. Trabalha com marketing digital desde 2002. Quer mais tempo para colocar outros projetos em prática, quer uma bicicleta e quer uma bio mais legal também.


Recomendados para você
 podcast
Nem todo casal enriquece trabalhando junto. Vem ouvir algumas dicas pra não falir o seu relacionamento!
  Por Henrique Pochmann
 podcast
Talvez o seu nível de exigência com o seu próprio trabalho esteja minando a sua produtividade.
  Por Henrique Pochmann
 podcast
Somos naturalmente mais atraídos por tarefas simples que geram recompensas imediatas. Como fugir disso para fazer o que precisa ser feito?
  Por Henrique Pochmann
 podcast
Será que essa crescente onda de fan pages e gifs bem humorados agrega valor às nossas profissões ou acaba prejudicando a nossa imagem?
  Por Henrique Pochmann
Participe da Conversa
  • Rômulo Innocêncio

    Aí, antes “design” agora “developer”, to ai =) hehehe acompanho o Podcast, tá massa…. =)
    parabéns, gostei do episódio. Valeu

    • Opa! Olha aí, se quiser deixar o link do site, fica à vontade! ;)

  • É exatamente isso. Eu passo pelo mesmo problema, não só quanto fecho parcerias com outros designer ou com desenvolvedores, é muito difícil encontrar alguém que consiga entregar o que espero. Até hoje tenho apenas um parceiro de longo prazo.

    • Verdade, Samurai. Essa questão de parcerias é complexa. É como o Pedro Bopp disse no outro episódio, é como encontrar um unicórnio. Mas ao que tudo indica, eles existem. O lance é continuar procurando.

      • “Eu acredito em unicórnios” :)

  • Henrique mandou bem no grave da abertura! kkkkkk

  • Show de bola pessoal. Muito bom!

  • :D Adorei a nova abertura!! Henrique, um cara multi-talentos!!

  • Marcia Breda

    O podcast tá MARA, mas o melhor tá no final! <3

  • Bellotti

    Essa capa ta show de bola! hahahahahaa

  • Marcio Soethe

    Muito Bom… divertido, atual, sincero e motivador… super importante pra mim…

  • Raquel

    Eu já tive 2 parceiras que tinham filhos .No primeiro caso, era a primeira vez dela trabalhando com home office, ela tinha uma bebe de 2 meses e um menino de 4 anos, ela mesmo acabou desistindo, antes que eu desistisse primeiro, por não se adaptar a ter as crianças em casa e trabalhar ao mesmo tempo, durante nossas reuniões a bebê nunca atrapalhou, porém o menino de 4 anos, sempre começava a gritar de proposito e era quase impossível seguir em frente nas reuniões. No segundo caso, as vezes um bebe chorava, gritava, mas não era algo recorrente pelo menos, desisti da parceria porque ela não conseguiu acompanhar o ritmo do trabalho mesmo, da parte criativa eu quero dizer, e não do volume.
    Acho que é possível sim trabalhar com criança em casa, é só uma questão de noção mesmo, se eu sei que meu filho vai gritar durante a minha reunião de propósito, porque eu vou marcar uma reunião com ele em casa? ou ele aprende que não pode fazer aquilo, ou eu marco a reunião em um outro horário, o que não da é para ter episódios repetidos desses. Uma vez ou outra sempre vai acontecer, até o cachorro as vezes inventa de latir no meio de uma reunião, ou uma visita que vem sem avisar e fica gritando você da sua rua(para quem mora em casa como eu), acontece.
    Muito bom o podcast, adorei!

    • É uma adaptação mesmo. Mas acho que um erro comum é achar que por ser home office, vc tem que trabalhar com os filhos em casa, junto… Se está na hora do trabalho, vc precisa poder se concentrar. Então ou a criança precisa estar dormindo ou em outra atividade para que você possa focar no trabalho. Claro que nem sempre dá para organizar a coisa assim, mas a imagem da mãe no computador com o filho no colo acho meio viagem. Acontece sim, às vezes, mas se for regra, não dá pra trabalhar mesmo.

  • Anderson Kniess

    Muito bom o Podcast, falar de filhos é sempre algo especial, tem suas complicações trabalhar com eles por perto, mas nada que impeça o profissional a desenvolver um excelente trabalho. É muito bom estar perto deles.
    Parabéns pelo episódio, estava vendo esses dias como é complicado fazer algo com meu garotão de 2 anos por perto. Pois ele tem a rotina dele e temos que se adaptar a ela. Pode parecer estranho mas como foi falo do podcast, temos que nos adaptar a eles, são eles que “dão as regras”agora.

    • Pois é Anderson… pessoas sem filhos as vezes não entendem isso. Mas não tem como você exigir de uma criança que ela se ajuste à rotina de um adulto. Os adultos, mais maduros e capazes, que precisam se adaptar para que a criança tenha espaço para crescer segura e tranquila. Afinal de contas, este é o principal do job description de virar o responsável por um mini humano :)

  • Luedy Costa

    E o Henrique continua fazendo podcasts especiais pra mim. Kkkk…
    Cara, cada podcast que passa da mais vontade de ser amigo da Dani. Kkkkk…

    Como eu já tinha falando antes, o meu pequeno Martin Ayô está chegando e esse podcast me trouxe reflexão muito legais. Nós saímos de um apartamento de apenas 1 quarto e no circuito do barulhento carnaval de salvador e viemos para uma casa com 4 quartos e mais distante do centro. Antes do podcast eu havia pensando em fazer o meu escritório no quarto no andar de baixo, porém me toquei estando no mesmo andar do quarto do bebê eu posso tomar a responsabilidade por ele e deixar a minha esposa livre para fazer suas atividades mais despreocupada.

    Por outro lado, o Renato me trouxe um insight. Pq eu e minha esposa temos esse posicionamento de menos tecnologia possível para o Martin. Porém, ela trabalha em shopping e eu além de trabalhar como freelancer tb trabalho em um escritório. Então no pouquinho tempo ativo em casa (afinal vou precisar dormir mesmo que pouco) vou precisar produzir muito e estarei sozinho com ele. como vou fazer para acalmar o pequeno? O método mais pratico eh usar o YouTube mas como ainda tenho pelo menos 4 meses até o nascimento, posso dizer que tenho 1 ano pra descobrir um método que se encaixe nesse meu pensamento atual de não tecnologia. Mas aceito dicas desde já. Kkkkkk

    • heheheheh.. Luedy, você vai ver como a vida fica cheia de desafios :) Só diversão. Olha, para o meu primeiro filho, quando ele começou a sentar e não ficar mais no carrinho eu tinha esses tapetões de borracha onde ele ficava sentado com os brinquedos e se divertia sozinho por horas – e nem precisava ser brinquedo caro, ele gostava de tupperware, panela… Ele tinha aquelas mesas da fisher price grandonas (e caras) e curtia tb, mas cara, brinquedos de montar e encaixar, bola…. as coisas basicas ja divertem os pequenos (teclado velho provavelmente será um hit :). Claro que depende da criança, meu segundo já não gostava tanto de brincar sozinho… Mas a fase bebê, você vai descobrir em breve, é a menos complicada de todas :p

      • Luedy Costa

        É engraçado como as crianças geralmente se divertem com muito pouco. Meu sobrinho mais novo se divertia muito mais com as caixas do que com os brinquedos. Já o mais velho trocava qualquer coisa por uma bola. kkkk…
        E pelo que o Martin tem demonstrado na barriga, ele não vai ser muito quietinho não. kkkk…

    • Bacana, Luedy! Legal já estar tendo essa preocupação desde agora. Enquanto o seu filho Martin ainda for um bebê, será bem mais tranquilo de “acalmá-lo” (ou não heheh). A Dani disse bem aí, depois você vai descobrir que nessa fase, com relação a trabalhar com ele junto é menos complicado do que após 1 ano de idade.

      Pra não precisar recorrer somente à tecnologia, recomendo os livros infantis e muita música. As crianças adoram se envolver no mundo de imaginação que as histórias proporcionam. No mais, muitas felicidades pra sua família!

      • Luedy Costa

        Valeu, Renato.
        Eu acho vai depender muito dos nossos hábitos pra ele não se interessar. Vivemos conectados. Quando não estou trabalhando até desligo um pouco e vou ler algo e tal… Minhas esposa é mais de ficar conectada.

        Acho que livros e músicas serão minhas “armas” nessa batalha. rsrs…

  • Esse podcast está de parabéns em diversos níveis!
    Eu sequer penso em ter filhos, mas convivo diariamente há bastante tempo com pais e mães que ainda sofrem porque a sociedade tem uma visão mistificada onde ter filhos significa anular a sua vida pessoal e profissinal. Quando se entra então na questão da maternidade + machismo, a coisa só piora, porque é muito triste ver que ainda hoje encontramos situações como essas muito bem pontuadas pela Dani (RAINHA), onde existe uma clara diferença de tratamento para profissionais mulheres que têm filhos trabalharem como freelancers ou mesmo retornarem aos seus trabalhos (onde muitas vezes são automaticamente demitidas após retornarem de suas licenças).

    Achei essa conversa muito bacana, de grande sensibilidade, pois não interessa se nós que estamos ouvindo não temos filhos ou sequer pensamos em tê-los. Trata-se de empatia para buscarmos cada vez mais entender que do outro lado há um ser humano que vive uma vida da qual não temos A MENOR noção pra levantar julgamentos precipitados.

    Como a Dani mencionou o blog do “Paizinho,Vírgula!” também queria complementar deixando a dica: busquem no YT o canal da Hel Mother, que fala de situações bem diversificadas na posição de uma Mãe solo, e ela hoje vive do seu canal no Youtube, então também é uma freelancer, com diversos conteúdos relacionados ao que foi falado no podcast.

    Beijos a todos, e parabéns aos estreantes Márcia e Renato!!

    • Franciane, muito legal seu comentário! É bem por aí mesmo, praticando o exercício da empatia a gente consegue ter sensibilidade pra entender melhor a consequência do machismo. Deveria ser uma causa de todos nós.

    • Bacana Franciane, não conhecia a Hel Mother, vou olhar :) Para mim, o mais curioso dessa visão mistificada onde pai (e principalmente) mãe se anulam para cuidar dos filhos é que eu vejo claramente a influencia – positiva – que meus filhos tem na minha vida e aprendizado. Claro que nos primeiros anos foi mais difícil e, realmente, me senti perdida e invisivel (bom, para ser honesta, até hoje as vezes :p). Mas ter filhos é uma escola de vida incomparavel (de um jeito diferente que as propagandas de margarina querem nos fazer acreditar). Mas a gente precisa, questionar TODOS os esteriotipos e tambem estar aberta a mudar e aprender. As vezes é bem doloroso, mas é sempre enriquecedor.

    • Ah sim… E a humaninade vai continuar procriando ne? Entaum relacionamento entre filhos, pais e mercado de trabalho é assunto de todo mundo mesmo. Ou a gente pode parar de procriar para não ter que lidar com o assunto :p Só causaria a nossa extinção mas, ufa, pelo menos nunca mais uma criança invadiria o home office do pai ou da mãe :p

    • Que bom te ver participando por aqui, Fran! Sempre com comentários ultra relevantes. Manda mais! :)
      Bjão!

Publicidade
MAIS DE 9.000 PRofissionais independentes Já recebem ANTECIPADAMENTE AS nossas atualizações.
Cadastre-se na nossa newsletter e receba “O Incrível Manual do Freelancer Moderno” direto no seu e-mail, sem pagar nada por isso.
 Sempre enviamos conteúdo relevante, sem spam. E você pode se descadastrar quando quiser.