Publicado: 12/07/2016 Atualizado: 30/10/2016

Podcast: Relacionamento com o Cliente

Dani, Thalita, Henrique, Vinny e Walter dividem experiências sobre como se relacionar, ou não, com clientes.
  Por Henrique Pochmann
Está na hora de darmos um passo adiante em nosso relacionamento.
Foto: Silicon Valley / HBO

Pesquisa Rápida - Ser Freelancer no Brasil 2016/2017

Desculpe interromper sua leitura, mas é por uma boa causa. Invista 5 min do seu tempo, responda a pesquisa e ajude a melhorar o mercado do qual você participa. Assim que coletarmos 1000 formulários esse quadrado chato imediatamente desaparece do blog.
Mais infos aqui. Obrigado! :)

 

[download] [feed] [itunes]

Não é fácil manter um cliente por longo prazo… como já dizia algum cara inteligente (que eu não lembro o nome agora): “você começa a perder o cliente no dia que você o conquista”. Mas… relaxa… estamos aqui pra te ajudar. Neste podcast vamos dividir um pouco da nossa experiência pra te ajudar a reter mais os seus clientes, conquistar novos e quem sabe ainda, demitir alguns. Por que não?! Agora… chega de papo… dá o play aí e tire proveito deste episódio. ;)

 

Participantes deste episódio

freelancer-henrique-pochmann

Henrique Pochmann
Freelancer e editor do Aparelho Elétrico

Freelancer Design Dani Lima 

Dani Lima
Designer freelancer e mantém o Medium Chá com Design.

vinny-campos-freelancer-e-nomade-digital

Vinny Campos
Designer no Studio Lhama, colunista do blog Choco la Design e nômade digital.

freelancer-em-design-grafico-thalita-lefer

Thalita Lefèr
Designer freelancer e produtora de conteúdo no Amarelo Criativo.

Designer Freelancer Walter Mattos

Walter Mattos
Designer Gráfico freelancer no waltermattos.com e Youtuber no waltermattosvideos

 

 Alguns Tópicos da Discussão

  • Freelancer Doc Box, contrato de trabalho, planilha de fluxo de caixa, planilha de pauta, etc…;
  • Comentários do programa anterior (Home Office x Coworking);
  • Sobre o Nick Vinão Gump;
  • Walter fala sobre sua experiência em espaço de trabalho compartilhado;
  • Tem computador desktop e quer trabalhar em coworking #comofas?
  • Sobre a praticidade de ter os arquivos no Dropbox;
  • O Dropbox e as franquias de internet;
  • Correndo atrás de clientes;
  • Trabalhando para receber indicações;
  • Seu cliente tem que ser seu vendedor;
  • Vídeo TED Simon Sinek;
  • Cliente mau pagador, paga duas vezes;
  • É mais fácil vender de novo para quem já é seu cliente do que para um novo;
  • Às vezes o profissional precisa cancelar o projeto;
  • Cuidados para evitar calotes;
  • Máquina de cartão que a Thalita usa: Izettle;
  • Sobre utilizar um contrato;
  • Site para assinatura de contratos e propostas comerciais: Docusign;
  • Você é cliente dos seus clientes?;
  • Tirando carteira de motorista com permuta;
  • Fazendo a pós-venda;
  • Sobre prazos e garantias na proposta comercial;
  • Evite usar abreviaturas ao escrever para seus clientes;
  • Vale Whats App pra falar com clientes?;
  • Facebook Card do Whats App da Amarelo Criativo;
  • Conduzindo a reunião com o cliente;
  • Às vezes é melhor abrir mão do cliente;
  • Alguns trabalhos não vão para o portfólio, mas pagam as contas;
  • Dar beijo no rosto ou apertar a mão do cliente?

 

Como anda o seu relacionamento com seus clientes?

E você, como tem se relacionado com seus clientes? Compartilhe a sua experiência aqui embaixo nos comentários. Vamos evoluir mais o tema. Outros profissionais podem aprender bastante com a sua experiência.

 

Posso te pedir um favor?

Se você acha que esse conteúdo é útil, compartilhe ele nas suas redes sociais. Isso ajuda o Aparelho Elétrico a continuar publicando conteúdo de qualidade de forma gratuita.

Cadastre-se na nossa newsletter e seja avisado da publicação de novos podcasts como esse. Basta colocar seu e-mail no box abaixo.

Abraço e até a próxima!

Hey, GOSTOU DESTE POST?
Assine GRÁTIS nossa newsletter e receba nossas atualizações antes de todo mundo.

Você ainda leva uma cópia do “O Incrível Manual do Freelancer Moderno” direto no seu e-mail e sem pagar um tostão por isso.
 Enviamos conteúdo relevante, sem spam. E você pode se descadastrar quando quiser.
Publicado por:
Henrique Pochmann
Criou o Aparelho Elétrico em 2014. Produz e apresenta o podcast do blog. Trabalha com marketing digital desde 2002. Quer mais tempo para colocar outros projetos em prática, quer uma bicicleta e quer uma bio mais legal também.

Recomendados para você
 Negócios
É importante conhecer bem a sua capacidade de produção e falar "não" se for preciso. Não há nada de errado nisso.
  Por Henrique Pochmann
 Negócios
Dentro de uma relação comercial cada lado tem a sua forma de pensar. Aqui mostramos um pouco de como os freelancers se sentem.
  Por Henrique Pochmann
 geral
A história de uma experiência em dizer "não" para um cliente. Foi difícil, mas sobrevivi para contar!
  Por Dani Lima
 Negócios
Supercompleto, sem censura e em detalhes. O artigo definitivo pra você turbinar as suas prospecções e conquistar os melhores clientes.
  Por Henrique Pochmann
Participe da Conversa
  • Sempre um aprendizado trocar ideia com essa galera.
    E parabéns por conseguir transformar 2 horas de papo em 60 minutos de um podcast super produtivo! Não queria estar no seu lugar. :P
    Valeu por mais esse convite, Henrique. Uma honra.

    • Grande Waltinho… é sempre um prazer receber o sr no programa e aprender com sua experiência. Tu já tem poltrona garantida aqui, meu velho! ;)

  • Vinny Campos

    Viva…Viva….Viva a Sociedade Alternativa…! Sempre bom bater esse papo, e aprender com todos…

    • Viny, já fazendo a lista de referências musicais pros próximos :D

      • hahahah… Pena, acabei deixando de fora a fala do Maior Abandonado…=/

  • Reiner Hudson

    Mais uma vez um excelente podcast :)

    • Brigadão, Reiner! Que bom que curtiu, meu amigo! Grande abraço!

  • alphajorstudio

    Ótimo podcast! É muito legal conhecer o dia a dia de outros designers e saber que todos tem os mesmos problemas e desafios para enfrentar. Aproveitando um dos tópicos, essa semana eu assinei o Google Apps para utilizar o e-mail e eles tem um plano com armazenamento ilimitado no GDrive por $10. Para quem quer fazer o backup na nuvem é uma ótima opção, visto que são muitos e muitos gigabytes para enviar :) Um abraço a todos! Marcelo

    • Fala, Marcelo! Que legal que curtiu o programa. Muito boa essa dica do Google Drive, hein? Por 10 mangos tá valendo muito a pena. Vou começar a pensar seriamente nisso. Grande abraço e obrigado por participar!

  • Muito legal o podcast. Ouvi pq sou amigo de longa data do Walter e acabei conhecendo a opinião de outra galera boa aí. Tb trabalhei como freelancer em alguns momento da carreira e a organização é realmente importante. Não necessariamente um contrato formal, mas uma formalização do acordado (msm q via email) já basta. Nunca ouvi dizer que foi necessário acionar a justiça para solucionar algo.

    Além de todas as formalizações, acho que o que o Walter – e alguns – disseram, é a tal da flexibilidade e do bom senso. As vezes algo fora do acordo não é trabalhoso e vale a pena ser feito em prol do estreitamento da relação com o cliente.

    Da minha parte, o principal problema é o projeto infinito. Aqueles que começam e entram em ciclos prolongados de aprovação. Acho isso péssimo pq vc acaba pegando outros jobs e se desconecta de jobs anteriores que estavam em andamento. Na volta, vc se sente perdido e tem todo um esforço para a retomada. Nesse caso, em demora excessiva, o cancelamento (ou congelamento) é algo realmente necessário e deve ser previsto.

    Parabéns a todos pelo diálogo compartilhado =)

    • Bela contribuição, Leo! Essa falta de continuidade nos projetos é muito prejudicial. O profissional precisa ter imersão para um bom resultado nos projetos. Não somos um abajur que simplesmente liga e desliga e resolve tudo.

      Grande abraço e obrigado pela participação!

    • Fala Leo!
      Cara, muito legal ver sua participação por aqui. Fico muito feliz e surpreso, para falar a verdade. Sabe que você é um exemplo de profissional para mim e que nossos papos contribuem muito para o profissional que sou hoje. Aliás, precisamos papear mais!
      Agradeço pelo comentário e pela amizade de sempre, cara.
      Abração.

      • Tamo junto, Waltinho. Exemplo aqui é vc, cara. Como disse em nosso papo recente…

  • Jonas Lobo

    Quando vai rolar o próximo??

    • Fala, Jonas! Devemos gravar outro hoje pra ir ao ar na semana que vem… mas como tá dando um trabalho descomunal, não da pra garantir. Ao menos, o plano é esse. ;)

    • Jonas marcando presença em tudo quanto é canto!

  • Priscila Mika

    Adoro ouvir conteúdos produtivos de profissionais criativos como vocês para referências e ir formando minha forma de pensar e agir como futura freela. Parabéns! A propósito, posso tirar uma dúvida aqui ou tem um campo específico?

    Concordo em sempre manter o português formal, porém é recomendado usar emoticons, ponto de exclamação e risadas nos e-mails, desde que a intimidade com seu cliente o permita? Ex: “Bom dia fulano, encaminho em anexo o projeto finalizado! =) Foram x meses de trabalho, e fico muito feliz de ter corrido conforme o cronograma rs. Agradeço pelo seu reconhecimento e estou à disposição para futuros projetos!!”

    • Tu pode tudo, Priscila! Aqui você tá em casa. ;)

      Minha opinião é a seguinte, assim como você falou: “desde que a intimidade com seu cliente permita”. Vale o bom senso. Se você tem afinidades com o seu cliente e sabe que isso não vai gerar ruído, acho que não tem nada de errado.

      Grande abraço e obrigado por participar!

    • Concordo com o Henrique. Clientes que demonstram qualquer forma de carinho recebem o mesmo tratamento. Se o cliente se despede me mandando uma carinha feliz, por que eu não poderia fazer o mesmo? (rs)
      Normalmente é algo que parte do cliente, mas pode partir de mim também dependendo do contexto. Acho que o lance é agir com naturalidade. Assim é difícil dar errado.
      Abração. :)

    • Priscila, eu sou a viciada dos emoticons. Praticamente não consigo escrever sem um :) no final :p. Tento maneirar no email pros clientes, não usar o emot como virgula.. mas sempre tem um :). Como só trabalho remotamente, eu acho que isso ajuda a colocar um pouco de emoção nos emails, um pouco da minha personalidade…

  • João Marcos Rosa

    Podcast mto bom como sempre :)
    Eu tava pensando sobre esse podcast e pensei em duas perguntas chatas hehe

    Acho que nós, freelancers informatizados, temos meio que criar uma nova cultura de relacionamento entre freelancer/cliente.
    Às vezes os clientes (principalmente os mais antigos), ou até mesmo os freelancers, ainda estão presos ao formato patrão-empregado, ordem-resultado, etc; o que não faz sentido nenhum pq, no final das contas, cada freelancer é uma empresa de uma pessoa só e deve ser tratado de igual pra igual.

    Não seria interessante se nas reuniões, emails, cada freelancer se enxergasse como um presidente de uma empresa ao invés de um cara qualquer que vai fazer um serviço? Como quando aconteceu com o Vinny que mesmo achando que foi direto demais, teve um retorno pq se valorizou.

    Em cima dessa pergunta eu tenho uma outra. Ter essa postura de igual pra igual no relacionamento com o cliente no começo da carreira freelancer não seria meio q um tiro no pé? Até o freelancer ter mais clientes e segurança financeira ele não fica meio que a mercê dos primeiros clientes?

    Eu digo isso pq já tive a minha Idade das Trevas de Freelancer fudido kkkkk
    Abraço pessoal!

    • Oi João, acho que se valorizar é essencial em qq momento da sua carreira. Para mim, foi uma jornada mesmo eu dar valor ao que eu fazia, pq eu gostava tanto de fazer e achava tão fácil que as vezes eu tinha dificuldade de dar valor ao meu próprio trabalho. Dito isso, a visão de “ser o presidente da própria empresa” é legal pra gente sempre lembrar que somos profissionais ajudando empresas a crescer. O cliente não tá fazendo favor nenhum em nos contratar, ele tem um problema e precisa que a gente resolva. E por outro lado, a gente não deve favor a cliente nenhum, somos profissinais fazendo nosso trabalho. Mas é preciso mesmo ter a noção da própria experiência… Se o cara tá há dois anos no mercado, não adianta querer tirar de super experiente. Tem que saber ouvir e saber aprender com os proprios erros, com as próprias experiências. Não dá pra pensar que existe um momento miraculoso na vida do freelancer em que ele vira O cara e agora tudo vai girar do jeito dele. A vida de freelancer é uma eterna experiência e o mais importante é sempre aprender com ela, sempre perceber onde dá pra melhorar e correr atrás de melhorar.

      • João Marcos Rosa

        Obrigado Dani! Concordo com tudo o que vc disse :) Esse negócio de seguir o próprio ritmo é realmente importante…

    • Ponto bem colocado, João!

      Falando um pouco da minha experiência, sempre gosto de me colocar como um “parceiro de negócios”, não como um “prestador de serviços”. Faço o possível para que a minha postura convença o cliente/prospect de que eu sou qualificado o suficiente pra ele me enxergar de igual pra igual. Nunca vejo o cliente como em um nível hierárquico acima do meu. Somos iguais. Claro, essa postura começa a surgir com uma certa naturalidade conforme a gente vai ganhando experiência… não recomendo ninguém tentar parecer o que não é, temos mesmo que subir degrau por degrau. Mas como disse a @disqus_ED6tid9eeH:disqus “se valorizar é essencial em qq momento da sua carreira”.

      • João Marcos Rosa

        Vlw cara! Lições valiosas aqui. Com ctza tem que ter esse feeling pra ir subindo os degraus da auto-confiança!

  • Gabriel Sá e Farias

    Sobre contratos e assinatura, eu uso o Google Docs e existem alguns addons que fazem assinatura digital.
    Isso facilitou minha vida, principalmente por formalizar a questão do pagamento.

    Eu usei o HelloSign:
    https://chrome.google.com/webstore/detail/hellosign-online-signatur/kajjckmbclbffbpecfbiecehkfgopppd?hl=en
    E tem a PandaDoc também:
    https://chrome.google.com/webstore/detail/pandadoc/ccienjcnenlecjjdojempdieldpgfpkk?hl=en

    • Boa, Gabriel! Não conhecia essas soluções… com certeza vão ser uma mão na roda pra muita gente. Obrigado por contribuir com o assunto. Grande abraço!

    • Bem bacana, Gabriel.
      Mas nesse caso o cliente precisaria utilizar o mesmo addon, não?
      Abraço.

      • Gabriel Sá e Farias

        @waltermattos:disqus Não, o cliente recebe por email um link com uma visualização do pdf do contrato e alguns hightlights indicando onde ele precisa contribuir. Ele terá que fazer uma assinatura digital com o mouse e pronto, não precisa usar o Google Docs nem o addon.

  • pedrobopp

    Muito bom o pdcast, mais uma vez!
    Gostaria de aproveitar que o Walter “tá vendo” e agradecer pelos templates de proposta que ele disponibilizo no site. Adaptei para as minhas necessidades e uso desde então!
    Um ponto que eu gostaria de trazer tem a ver justamente com essas adaptações e com o que foi falado no papo. Às vezes propostas muito longas acabam se tornando massantes e “assustando” o cliente. Para contornar isso, fiz uma opção curta de uma página, que uso para jobs menores. Assim o cliente tem acesso direto à descrição e principalmente ao custo. Tem funcionado muito bem.
    Na mesma pegada uma tomada de briefing digital, perguntando informações num pdf editável não tem surtido efeito para mim. No último prospect, dei a opção de encontro presencial, reunião via skype ou ainda resposta do formulário em pdf, na intenção de demonstrar profissionalismo, mas o cliente acabou sumindo.
    Acho importante “sentirmos” o modelo que melhor surte efeito e chegarmos a um meio termo!

    • Fala, Pedrão!

      Isso aí, cara. Agora tu tocou num ponto importante. A gente fica criando muitos padrões de como queremos trabalhar, como achamos que é o ideal. Mas essa é apenas a nossa visão. Negócios são feitos por duas partes. Acho que às vezes temos que flexibilizar também e nos adaptarmos a cada situação… cada caso é um caso. Cada cliente é um cliente. Acredito que montar uma operação de guerra pra atender cada cliente não é legal, porque é um gasto de energia e tempo tremendo. Mas fazer um ajuste aqui, outro ali pra viabilizar o projeto, pode ser um bom caminho pra manter o fluxo de jobs.

      Grande abraço e obrigado pela contribuição, meu caro! :)

    • Olá Pedro,

      É exatamente isso. O “modelo” que funciona para mim hoje é uma soma de anos de experiências e referências que são “minhas”, saca? É claro que assim como outros foram referência para mim, sei que meu modelo pode ser referência para alguém – por isso compartilho. Mas o fato é que você precisa compreender seu cenário, seu cliente e, principalmente, trabalhar de acordo com aquilo que você percebe que funciona.

      Pode ser que demore um pouco até você definir uma metodologia, mas com certeza uma hora acontece. Existem vários modelos e metodologias pela net que você pode usar como referência, cara. O próprio @henriquepcm:disqus oferece o Freelancer Doc Box.

      E como o Henrique falou, não é para você montar uma operação de guerra. Cada caso é um caso. Apesar de eu ter conseguido um método bastante consistente, tem cliente que nem sente cheiro do meu briefing ou da minha proposta, por exemplo.

      Abração.

  • João Carlos M. Jr

    Estou ouvindo este podcast no momento, vim deixar uma dica sobre o dropbox, que vocês comentaram sobre o preço.
    Caso possuam aparelho android, dentro do aplicativo pode ser feito a assinatura do dropbox pelo serviço de pagamento do google, que cobra em reais, um valor fixo, e bem abaixo da cotação do dolar. Assino há aproximadamente um ano, e pago exatos R$25,15 pelo mesmo plano Premium que é cobrado US$9,90 no site.

    Fica a dica pra quem quer assinar o dropbox e nao o fez por conta a flutuação do dolar.

Publicidade
MAIS DE 8.000 PRofissionais independentes Já recebem ANTECIPADAMENTE AS nossas atualizações.
Cadastre-se na nossa newsletter e receba “O Incrível Manual do Freelancer Moderno” direto no seu e-mail, sem pagar nada por isso.
 Sempre enviamos conteúdo relevante, sem spam. E você pode se descadastrar quando quiser.