Podcast: Ansiedade
 Publicado: 06/03/2017 Atualizado: 23/03/2017

Podcast: Ansiedade

A ansiedade tem atrapalhado a sua produtividade? Vem ver como outros profissionais têm lidado com o chamado "mal do século".
  Por Henrique Pochmann

[download] [feed] [itunes]

Henrique Pochmann, Dani Lima, Thalita Lefèr, Vinny Campos e Walter Mattos contam como lidam com os momentos de ansiedade.

Participantes deste episódio

freelancer-henrique-pochmann

Henrique Pochmann
Editor do Aparelho Elétrico.

Dani Lima freelancer em design gráfico Dani Lima
Designer freelancer e mantém o Medium Chá com Design.
Thalita Lefèr
Designer no Amarelo Criativo.
vinny-campos-freelancer-e-nomade-digital

Vinny Campos
Designer no Studio Lhama e nômade no A Path to Somewhere.

Designer Freelancer Walter Mattos

Walter Mattos
Designer no waltermattos.com.

Tópicos deste podcast

  • Abertura
    • Se cadastre na newsletter do Aparelho Elétrico;
    • Avalie o Aparelho Elétrico no iTunes. Dentro do iTunes, busque por “Aparelho Elétrico” e vá em frente até chegar na tela abaixo.

      avalie-o-podcast-do-aparelho-eletrico-no-itunes

    • Colabore com o Aparelho Elétrico;
    • Freelancer Full Folio – Um tema Premium para sites de freelancer;
    • Freelancer Doc Box – Caixa virtual de documentos essenciais para freelancers;
  • Leitura de Comentários
    • “A vida é 10% do que acontece comigo e 90% de como eu reajo a isso”;
    • Montage of Heck – Documentário sobre Kurt Cobain;
    • A cada duas pessoas, uma tem algum problema relacionado à ansiedade;
  • Programa “Ansiedade”
    • Crises de Ansiedade;
    • Sensação de não conseguir respirar;
    • Acordar antes do necessário;
    • Tá balançando a perna? Pode ser ansiedade;
    • Atenção: você está prendendo a respiração;
    • A ansiedade na vida nômade;
    • Ansiedade não é charme ou drama, é algo sério;
    • A ansiedade faz você viver no futuro;
    • Foco no presente;
    • Tinnitus – zumbido na cabeça;
    • Não somos médicos. Se persistirem os sintomas um médico deverá ser consultado;
    • Não perca o sono. Pense em coisas boas antes de dormir;
    • Sinais de ansiedade: perna inquieta e tique no olho;
    • Evite café, guaraná e energético;
    • Fazer uma coisa de cada vez;
    • A vida em agência;
    • A ansiedade do bem;
    • Transformar a ansiedade em energia;
    • Leitura para desenvolver a concentração;
    • Ted da Dani: A new plan for anxious feelings: escape the custard;
    • Meditar observando a chama de uma vela ajuda na concentração;
    • Buda da Thalita Lefèr;
      Buda da Thalita Lefèr do Amarelo Criativo
    • Nu Meditation Music;
    • Meditação não é necessariamente um ato religioso/filosófico;
    • Projeto Curadoria;
    • Erros de gravação.

E você como lida com ansiedade?

Conta pra gente nos comentários como você lida com os momentos de ansiedade. Seu comentário é muito importante para levarmos o papo adiante.

Posso te pedir um favor?

Se você acha que esse conteúdo é útil, compartilhe ele nas suas redes sociais. Isso ajuda o Aparelho Elétrico a continuar publicando conteúdo de qualidade de forma gratuita.

Cadastre-se na nossa newsletter e seja avisado da publicação de novos podcasts como esse. Basta colocar seu e-mail no box abaixo.

Abraço e até a próxima!

Hey, GOSTOU DESTE POST?
Assine GRÁTIS nossa newsletter e receba nossas atualizações antes de todo mundo.

Você ainda leva uma cópia do “O Incrível Manual do Freelancer Moderno” direto no seu e-mail e sem pagar um tostão por isso.
 Enviamos conteúdo relevante, sem spam. E você pode se descadastrar quando quiser.
Publicado por:
Henrique Pochmann
Criou o Aparelho Elétrico em 2014. Produz e apresenta o podcast do blog. Trabalha com marketing digital desde 2002. Quer mais tempo para colocar outros projetos em prática, quer uma bicicleta e quer uma bio mais legal também.

Recomendados para você
 podcast
São poucos os seres iluminados que reagem bem a uma crítica negativa. Será que é possível aprender a lidar bem com isso?
  Por Henrique Pochmann
 podcast
Será que essa crescente onda de fan pages e gifs bem humorados agrega valor às nossas profissões ou acaba prejudicando a nossa imagem?
  Por Henrique Pochmann
 podcast
Talvez o seu nível de exigência com o seu próprio trabalho esteja minando a sua produtividade.
  Por Henrique Pochmann
 podcast
Tony compartilha um pouco da sua experiência e dos bastidores de um site que recebe cerca de meio milhão de visitas por mês. Ouça alto!
  Por Henrique Pochmann
Participe da Conversa
  • Desafio para os ansiosos: esperem a musiquinha de encerramento terminar.

    Muito bom, pessoal! Orgulho de fazer parte disso.

    • Vinny Campos

      Até que esse podcast saiu rápido, nem consegui ficar muito ansioso… (Ainda escutando por aqui…)

      • Depois diz pra gente o que você achou. Não sei se você já tinha ouvido antes. ;P

    • Daniel Spacof

      Hahahaha achei engraçado este final

    • Eu escuto todo o podcast só pra ouvir os erros de gravação. =)

      • Que bom que você ouve, é muito bom. Recomendo.

    • hahahahha.. eu desliguei antes, claro! :D Só depois lembrei “Ih! Tem os erros de gravação!” E daí voltei pra ouvir :p

  • Daniel Spacof

    Caramba Henrique, eu realmente estava tremendo a perna aquela hora que você falou #medo

    • Hhuahuahu @henriquepcm:disqus, próximo podcast será sobre vidência e previsões para 2017.

    • Augusto Morais

      Vim dizer a mesma coisa! hahaha

    • hahaha… ansiedade é fogo. Quando vejo que to com a perna balançado é porque já to vivendo no futuro, numa galáxia distante. É hora de voltar pro presente.

    • Eu to aqui lendo os comentários e balançando a perna em ritmo de música. Assim pode, né @henriquepcm:disqus? Não é pra proibir de balançar a perna também. rs

  • Cláudio Barbosa

    Este Podcast pode salvar vidas !!!! Trata-se de um assunto muito sério com consequências gravíssimas.
    Tive uma crise de pânico em 2012 e por meio de medicação adequada consegui superá-la e sem exagero é exatamente o que a Thalita falou no cast.

    Porém em novembro / dezembro do ano passado senti que o demônio estava se aproximando novamente, porque
    comecei a tremer constantemente de forma absurda (tipo Parkson mesmo) , além de insônias constantes e uma qualidade de sono péssima, eu acordava de madrugada e não dormia mais.

    Fui ao médico, expliquei meus dramas e minha rotina e o mesmo me indicou a tomar Fluoxetina e um remédio para dormir (que é literalmente um “mata leão” rs) além do de sempre que são exercícios físicos e de lazer.
    Enfim, cumpri a recomendação médica, usei os medicamentos apenas no tempo estipulado, mudei minha rotina de trabalho drasticamente, hoje trabalho de 7:30h às 18:00h com raras e honrosas exceções, por último desligo meu telefone fora dos horários comerciais.

    • Obrigado por compartilhar sua experiência, Cláudio. É importante a gente ter acesso a essas diferentes experiências para refletir sobre nós mesmos. Que bom que está conseguindo resolver. Qualidade de vida é isso, cara. Não pode abrir espaço para os “demônios”, como você mesmo sugere.

      • Cláudio Barbosa

        Ei Walter Mattos com 2 T´s (rsrs), aproveitando o contato, sou seu fanzaço apesar que assisto seus vídeos e fico com depressão, mas parabéns viu amigão você é um cara iluminado!
        E a dica do foda-se vou levar para toda minha existência (rs)

    • Boa, Cláudio!
      Obrigado por compartilhar sua história. Legal ver que superou uma fase tensa. A gente tratou o tema com bom humor, mas é importante dizer que isso não é engraçado, é algo sério e precisa ser tratado.
      Obrigado por participar, meu caro.

      Grande abraço!

    • Oi Claudio, bacana vc compartilhar sua experiência :) Ansiedade, pânico é punk. É, de fato, debilitante. E acho que quanto mais gente contar e assumir “seu lado fraco” melhor. Ajuda a parar este estigma de que a gente tem que dar conta o tempo todo, tem que ser maneiro, esperto, super e bem sucedido o tempo todo… O que, claro, só ajuda a piorar os casos de ansiedade, pânico, depressão… Acho que o programa foi bem legal por isso. Todo mundo falando francamente dos próprios limites e de como fizemos para tentar superá-los. Beijão e que bom que você está bem agora!

      • Cláudio Barbosa

        Ei Dani, que bom que respondeu, já havia dito para o Henrique que o time feminino do cast é imbatível! Vocês meninas nos ensinam muiiiiiiiito, tem uma perspectiva bem diferente, Parabéns!

  • Ryan Smallman

    Confesso que esse podcast só me deixou mais ansioso :P

    • Pô, Ryan! hahaha
      Talvez seja hora de ouvir um dos sons que a Thalita indicou no podcast.
      Quem sabe resolve. ;)

      • Ryan Smallman

        Haha, não me leve a mal! Foi demais ouvir o papo de vcs, só fiquei meio aflito ouvindo as histórias. Pessoalmente, eu não sou muito ansioso, então fiquei surpreso com os efeitos que pode causar! Se cuida galera #nostress

        • Verdade, cara. Ansiedade é uma parada séria. É preciso observar esse comportamento, pode minar não só a sua produtividade, mais a carreira, relacionamentos, etc… O lance é ficar esperto e como diria o @vinnycampos:disqus ‘busquem autoconhecimento’. ;)

          • Ryan Smallman

            Exato, a gente não costuma se conhecer tanto quanto pensamos, né? Uma coisa muito importante pra isso é discernir qual é o seu “zone”. Aquele estado onde vc está mais inspirado, focado e produtivo. Pq tem coisas que fazemos sempre e não percebemos o quanto nos distraí e atrapalha. Meu negócio era YouTube, tentava ver/ouvir videos enquanto trabalhava, e vi que só me atrapalhava. Hoje só ouço musica, investi em deixar meu escritório mais estilizado e inspirador (como vc escreveu no ultimo post) e fez muita diferença.

          • Exatamente, cara. Com tempo e maturidade, a gente vai criando a atmosfera ideal pra trabalhar melhor. É isso aí.

            Bacana saber que investiu no seu escritório. Fica à vontade pra postar uma foto lá no post que a Larissa fez. Já tiverem algumas fotos por lá. Assim que o meu estiver mais organizado, vou postar também.

            http://aparelhoeletrico.com/produtividade/decoracao-para-um-ambiente-de-trabalho-produtivo/

          • Pois é. Eu só consigo trabalhar enquanto não existir absolutamente ocupando minha mente além do trabalho. Se eu ouço um podcast vou prestar atenção no assunto, se ouço música fico tentando reconhecer as notas, os tons. Eu preciso do silêncio total – de preferência com o barulho do ventilador/ar-condicionado no fundo, ainda mais morando no RJ. rs

    • :'(

    • Ô Ryan, sabe que essas coisas tem esses efeitos em mim as vezes também? Por exemplo, falar sobre ansiedade no programa me deixou ansiosa pra caramba! E nas épocas em que eu estava mega ansiosa, eu quase não falava nada, pq eu não queria que se chegasse no assunto de ansiedade.. Mas ansiedade tem nisso, não adianta a gente querer enterrar que ela só vai ficando mais forte. Tem que olhar na cara da ansiedade, no fundo dos olhos e dizer “me deixa!” :p Meditando, correndo, dançando, lendo… seja lá qual for seu remédio :)

      • Clap, clap, clap… senhoras e senhores: Dani Lima! Disse tudo, Dani!

  • Bruno Brender

    Galera, parabéns por esse Podcast, um dos melhores que já ouvi. Uma coisa que me ajuda muito a dormir é pensar em coisas que gostaria de fazer, ou pensar em uma história, é como se tivesse mantendo a mente ocupada e acabo pegando no sono no meio do caminho.

    • Boa, Bruno!
      Legal essa técnica. Isso aí, acho que esse é o caminho, criar nossos próprios mecanismos pra desligar a cabeça e relaxar. Bem sacado!

      Abraço!

  • Luedy Costa

    Estou eu ouvindo o podcast e balançando a perna e o Henrique fala:
    “Você ouvinte que tá ai balançando a perna pensando no que vai fazer depois…”
    E eu penso: “SOU EU!!!!”
    Tão ansioso que até confundi a história do Walter… kkkk… foi mal, cara!

    O Walter falou de aprender a dormir com o barulho…
    Eu cresci morando ao lado de um terreiro de candomblé. Então eu tive que me adaptar isso e dormir mesmo com o batuques das festas indo até altas horas da madrugada. Era muito complicado. Ai hoje, eu tenho um sono pesado… é preciso muito barulho pra me acordar ou alguém chamando o meu nome. E agradeço muito por ter me adaptado assim. Hoje eu moro no bairro da Barra aqui em Salvador, que pra quem não sabe faz parte do circuito oficial do carnaval de Salvador (e eu odeio carnaval) e essa “habilidade” me ajudou a descansar enquanto os trios elétricos passam na rua de trás.

    Mas voltando a ansiedade…
    O que me faz perceber que estou começando a ter crises são as unhas (que eu começo a roer) e eu começo a ter refluxo. Só que o meu refluxo não me faz vomitar. Eu fico com soluço por 2, 3 dias… e ai só para tratando com remédio. E se eu não cuido da ansiedade vou descendo mais a ladeira até chegar aquele ponto em que a começa a mexer na auto estima e eu começo a achar que sou um profissional / pessoa ruim. E começam aqueles pensamentos exagerados de que NUNCA faço nada certo ou SEMPRE faço tudo errado… é sempre assim TUDO, SEMPRE, NADA… é sempre totalitário. E minhas crises inclusive já me levaram a pensamentos suicidas, o que me levou a buscar ajuda.
    E concordo com a Tatá. Agência é coisa do capiroto, vey! Comecei a ter essas crises de ansiedade quando assumi sozinho toda a direção de arte da agência que trabalhava. Isso em 2011, eu nem tinha saído da faculdade. Desde então tenho essa batalha diária e cada dia de muita pressão em que eu não tenho crise é uma pequena vitória que comemoro internamente.

    • Luedy Costa

      E já ia esquecendo de falar!!!
      O Walter falou no finalzinho sobre antecipar problemas e pensar 3 soluções…
      Eu tento pensar da seguinte forma:

      Eu tenho um problema (real ou não)… beleza…
      Eu posso resolver? Se sim, não tenho por que me preocupar é só por em prática. Se não, procuro pensar em outras coisas e não perder mais tempo com aquilo.

      • Que história, Luedy! Cara, que bom que você tá no caminho certo.
        Sobre o lance do barulho na hora de dormir, na verdade minha adaptação foi mais no sentido da aceitação com o barulho do que o fato de conseguir dormir com barulho. Tive que me acostumar com aquela rotina, mas nem sempre conseguia dormir. No podcast a gente não tem tempo de falar tudo, né? O que me “ajudou” mais nesse sentido foi o tinnitus mesmo.
        Também sofro do mal do refluxo, mas desde que mudei minha alimentação e aderi uma rotina de exercícios isso nunca mais me incomodou. Claro, evitar ansiedade é essencial, mas a própria alimentação e os exercícios ajudam nisso também.
        Valeu, cara. Abraço!

        • Luedy Costa

          Agora eu vou ter que passar por uma nova adaptação. Como tenho um baby pra chegar, acredito que meu sono aos poucos volte a ficar mais leve. E quanto ao refluxo, a alimentação ajuda muito mesmo e consigo aumentar o intervalo entre as crises de refluxo, mas se tenho um pico de stress já era. Ataca no dia seguinte. E o que piora pra mim, é que externamente eu sou tranquilo, calmo… tipo a Dani Lima. Mas meu lado Tatá me deixa explodindo por dentro, ou melhor, implodindo. kkkkk…Eu tenho dificuldade em externar as coisas. Mas estou ai trabalhando nisso.

          É muito bom saber que pessoas de várias idades, níveis de experiência e localidade lidam com problemas parecidos com os nossos, além dos problemas normais de profissionais autônomos.

          • Pois é, Luedy. O mundo real é real pra todo mundo! rs
            E parabéns pelo “baby”, cara!

          • Luedy Costa

            Valeu pelos parabéns, galera!

            Dani.. estamos com 9 semanas de gestação. Então tô com aquela ansiedade boa de ver o rostinho, saber o sexo… to relembrando que ansiedade pode ser legal. kkkk…

            Walter… o legal é que a gente descobre que o mundo real tem um “padrão de funcionamento”. E as reflexões que vocês acabam trazendo é uma maneira muito legal de hackear esse “sistema”. De primeiro entender que você não é o único com aquele problema e depois saber quais as soluções que as outras pessoas buscaram. É muito boa essa troca de experiências (fora as inúmeras risadas que dou com vocês! kkk…)

          • Essa fase é legal. Ansiedade boa mesmo, que dá pra usar pra planejar o quarto, escolher roupinhas, fazer lista de nomes, fazer bolão com a galera de qual vai ser o sexo :D

            ô, e totalmente fora do contexto, vou dar uma dica boa. Lá pelos 7 meses, façam comida e congelem. Tipo, fazer hamburguer, almondegas, umas tortas… Daí nos primeiros meses, que são mesmo difíceis e não der tempo nem de comer, é só fazer um arroz rápido e fritar o hamburguer e já tem uma refeição decente (pra não ficar consumindo besteira e comida congelada pronta cheia de porcaria que não é legal pra ninguém). Se vcs tiverem mãe, sogra, amigos que gostam de cozinhar, manda esse direta e pede esse favor pra estocar o freezer de comidinha boa. Ajuda pacas.

            E se qq pessoa perguntar se precisam de ajuda, sejam diretos: lavem a louça! Sério, é uma das melhores ajuda a novos pais :D

          • Luedy Costa

            kkkkkk… Valeu, Dani.
            Vou fazer isso sim. A minha sogra trabalha cozinhando e a minha mãe mora a uma distância de 10min da gente e a minha cunhada mora perto também. Então vou explorar elas bastante. kkkkkkkk….

            Os nomes já foram escolhidos. Como designer que sou, tive que pensar no conceito que queríamos antes de solucionar o problema, ou melhor, criarmos opções de nomes. kkkkk…
            Se for menino será Martin, em homenagem ao Martin Luther King e se for menina será Luiza Mahin, em homenagem a uma princesa africana que foi escravizada e participou ativamente da revolta dos malês e que era mãe do também abolicionista Luiz Gama.

          • Parabéns pelo bebê, Luedy! E parabéns também pela escolha dos nomes. Também curti.
            Aproveitando, cara. Sempre fico na dúvida na hora de pronunciar seu nome, se diz “luedí” ou “luédi”?

          • Luedy Costa

            kkkk… valeu, Henrique!
            Se pronuncia luÉdi.

          • ah, então tá beleza. Acho que pronunciei certo até então. Abraço!

          • Que nomes lindooooooossss! :D Adorei. Esse já vai nascer poderoso :)

            (e a ansiedade em responder que me fez responder na mensagem errada? :p)

          • Oi Luedy! Parabéns pelo baby e bem vindo ao louco mundo de aventuras dos pais :p E olha, com criança em casa, dobra a nossa responsabilidade de aprender a lidar com a ansiedade. Pq a nossa ansiedade se reflete em toda a casa e em todos da família… Mas não precisa ficar ansioso com isso :p Filhos são os maiores impulsionadores de auto-conhecimento. Pq é isso ou enlouquecer :p Mas também é divertido, desafiador, enriquecedor, você vai ver :)

            E tô rindo aqui “Dani Lima por fora, Tatá por dentro” :D Tô enganando bem se você me acha tranquila :p

    • Grande, Luedy!

      Obrigado por estar sempre acompanhando, cara.

      Baita relato, hein? Me identifiquei com a parte do, tudo, sempre, nada… a gente começa a medir tudo na base do 8 ou 80. É legal que com o tempo tu já começa a perceber esses pensamentos e consegue cortar, pensar em outra coisa. É foda. A ansiedade vai nos levando pra uma auto-sabotagem fudida. Temos que ficar espertos.

      Grande abraço e obrigado pelo relato sincero.

      • Luedy Costa

        Valeu vocês, Henrique!

  • Oberdan Rodrigues

    Prender a respiração, tremer a perna, não parar sentado pra trabalhar…tudo isso só meu mostrou que estou com alguns sintomas e pela primeira vez eu perguntei pra minha esposa se era ansioso, e ela disse sim.

    Agora quanto ao trabalho até que estou bem tranquilo. Organizar tudo o que vou fazer pela manhã foi fundamental mesmo sabendo que nem sempre eu conseguirei fazer. Mas como disseram, é importante também saber a hora de parar e deixar para o próximo dia.

    Outra coisa que me ajuda muito é pela manhã saber qual é a minha meta de vendas daquela semana, e toda manhã eu busco primeiramente pelo sim do meu cliente. Seja na hora de aprovar um projeto ou uma proposta. Eu tenho que concluir toda manhã com um sim.

    Eu faço isso porque sinto que maior parte da minha ansiedade vem disso.

    Obrigado galera por mais este incrível conteúdo!

    • Bem lembrado, Oberdan! Manter uma rotina e organização bem definida é essencial pra combater a ansiedade.
      Escrever as tarefas a serem realizadas no papel já dá um puta alívio na minha ansiedade.

      Belo comentário, cara.

      Grande abraço!

      • Oberdan Rodrigues

        Valeu Henrique. Um grande abraço!

  • Fabrício Augusto

    Boa pessoal! Sou do blog Os Criativos, e olha, fiquei muito aliviado em saber que não é só eu que passo por isso. Em 2015 fui parar só 3 vezes no hospital por causa de stress e ansiedade. Nessa época eu tinha colocado prazos curtos pra fazer muitas coisas simultaneamente, não tinha fim de semana ou feriado que eu perdoava, só parava de pensar em meus trabalhos e projetos pra dormir (de madrugada).

    Depois que passei alguns apertos no hospital, como falei, hoje já tento tomar mais cuidado com isso. Procuro evitar a mexer com meus projetos, estudos ou trabalhos no fim de semana inteiro como eu fazia, comecei a ver séries e a ler livros pra minha mente ficar mais relaxada e não só ficar pensando em trabalho, além de exercícios também, academia etc. Mas mesmo assim me pego as vezes sem sem respirar, ou pensando demais no futuro. E confesso também que fico aliviado quando acordo e minhas pernas começam a se mexer kkk :P

    Podcast top, como todos os outros que ouvi. Pena que minha ansiedade ainda não tinha me permitido parar para comentar eles, pois sempre escuto trabalhando, mas vou começar a mudar isso kkk ;)

    • Legal ver você por aqui, Fabrício! :D

    • Fala, Fabrício!

      É complicado, cara. A gente se cobra demais. Uma pena ver tantas pessoas relatando que já foram parar no hospital por causa da ansiedade. Fica aí o alerta pros novatos.

      Esse negócio de estar sempre trabalhando é complicado mesmo. Já passei por fases assim também e descobri que ter momentos de folga faz parte do trabalho. É meio que obrigatório ter momentos de descanso, pra voltar reenergizado pro trampo depois.

      Muito obrigado por acompanhar os podcasts, meu velho.

      Grande abraço!

    • Recomendo filosofia de corredor: “não importa o quão devagar você corre, está sempre mais rápido que o pessoal do sofá”

      É isso, quem gosta de criar, empreender, fica mesmo doido em conseguir fazer tudo logo, terminar, testar, fazer de novo… Só que não somos máquinas né? Precisamos de tempo, de descanso… É preciso lembrar que mesmo que a gente consiga fazer um pouco somente, um pouco por dia, em um mês, três meses, um ano, é bastante :)

    • Vinny Campos

      @fabr_cio_augusto:disqus acredito que já encontrou seu equilíbrio. Tenta lembrar que paz não é a ausência de guerra, guerra é a ausência de paz. Então, você tem que aprender a lidar com esses momentos de stress sem ser uma pessoa reativa. Escolha suas batalhas e onde gastar sua energia, acho que muitos dos que começam a ter diversas demandas, e muitas pessoas pedindo trabalhos (o que é um bom sinal), acabam usando esse volume de trabalhos como combustível, mas como você mesmo viu e a Dani já disse no comentário, não adianta correr, mas sim chegar bem ao fim do caminho que escolheu! o/

  • Marcio Soethe

    Muito Bom Ainda Estou Ouvindoooooo, Mas já Sei Que só Pode Ser Conteúdo com ‘Conteúdo’… kkk…

  • Iure Figueira

    Senhoras e senhores, que podcast! Já tive uma crise bem forte dentro do ônibus. É uma sensação terrível e que a gente não se dá conta. Muito é verdade quando o @waltermattos:disqus menciona a “consciência” desse e de qualquer outro tipo de situação. É o que te faz sair de uma condição reativa para proativa e isso já ajuda e muito! Creio que já mencionei outras vezes, mas eu acho muito engraçado o fato de que nós, como designers, resolvemos problemas das maneiras mais incríveis e proporcionando boas experiências e ao mesmo tempo nos deixamos a parte disso. Recomendo muito um livro chamado “Design Your Self” do Karim Rashid. Livro absolutamente fantástico sobre o assunto!

    • Só o título já me despertou interesse.
      Valeu pela dica, Iure.

    • Tb curti o título, vou procurar :)

    • Vinny Campos

      A relação com o design e nossos problemas cotidianos é realmente incrível ! Nós somos pessoas que buscamos soluções, e algumas delas para problemas que se repetem, então o mesmo pode ser feito no nosso dia-a-dia, quando você descobre o que funciona com você, quando o problem se repete não existe mais ansiedade e problemas, você aceita o problema de forma calma e bota em prática aquela solução que já viu que da certo pra você. E minha visão sobre o assunto é que existem problemas que parecem sem solução ou que a solução pode não ser tão fácil de colocar em prática, pra isso existe a criatividade, mas você já pensou quantas soluções estão na nossa frente, simples e prontas e as vezes pelo nosso ego, queremos re-criar a roda?

      Para todos os problemas acho que a solução começa com uma boa respirada funda….rsrsrs

  • Marlywolf

    Oi Henrique!
    Excelente programa! Uma coisa que acontece comigo bastante quando fico estressada/ansiosa é o bruxismo.. Não sei se você é familiarizado com esse problema. Bruxismo é ficar rangendo ou batendo os dentes, normalmente quando a pessoa dorme, mas pode acontecer acordado também (que é oq acontece comigo).
    Quando percebo que estou fazendo isso enquanto estou trabalhando, procuro ficar “de boca aberta mas de boca fechada”, entende? rsrs Eu fico com os dentes separados pra evitar ficar mexendo neles, deu pra entender? rsrs

    Outra coisa que eu faço também quando tenho várias coisas pra fazer num dia é ficar sempre esperando a tarefa que eu tô fazendo terminar pra pegar a próxima. Isso é péssimo, porque não consigo relaxar com os amigos porque sempre estou pensando na hora pra não me atrasar ou no transporte que tenho que pegar pra sair dali… É mto chato pq o tempo passa e parece que não me entreguei por completo.

    Enfim, tô só desabafando aqui rsrs

    Tô ansiosa pro programa ser semanal! rsrs

    bjs e obrigada! <3

    • Oi Marlywolf, tudo bom?
      Chegou a ouvir que mencionei o zumbido no ouvido? Então, uma das teorias médicas era bruxismo – que por sorte, não tenho. Mas enquanto investigava se tinha ou não bruxismo comecei a tomar medidas “preventivas”, como deixar a boca aberta, como você faz. Acontece que isso também é um comportamento ruim. Pelo que a especialista me explicou, qualquer movimento permanente que não seja natural da articulação pode prejudicar e causar sintomas que vão de dores a zumbidos no ouvido. Esse movimento pode ser apertar a boca ou se esforçar para mantê-la aberta. Enfim, o negócio é deixar ela na marcha neutra mesmo.
      Além disso soube que existe um tratamento que pode te ajudar. Talvez você já saiba, mas dizem que há uma espécie de molde para colocar entre os dentes na hora de dormir. Isso evitaria que você fechasse a boca e manteria os dentes na distância ideal. Pergunta pro seu (sua) dentista se isso faz sentido.
      Espero que ajude. Um abraço.

      • Marlywolf

        Oi Walter, o meu problema é que eu faço isso acordada e não dormindo! rsrsrs
        mas muuuito obrigada pela resposta! sou sua fã rsrs
        bjs!

        • Então, eu mantinha a boca aberta acordado também. rs
          Se cuida, Marlywolf. E obrigado pelo carinho. :D
          Beijão.

    • Opa, bruxismo? o/ Meus dentes são até desgastados, já usei aquela proteção para dormir por um tempo… Hoje, depois que começei a entender o que era ansiedade, o que fazer a respeito, já não é tão ruim. É como diz o Vinny: busquem auto-conhecimento! É a chave para a solução de muitos problemas (simples mas complexos :p) que temos :) Beijos!

      • Marlywolf

        Caramba Dani, tadinha! o.o Vou tomar cuidado pra não desgastar os dentes… vou buscar auto conhecimento sim! (e obrigada pelo reply ;) )

      • Busquem auto-conhecimento

        Campos, Vinnão, 2017 / @vinnycampos:disqus

        • Vinny Campos

          Todos somos um Aparelho Elétrico, mas viemos sem manual de instruções…. se auto conhecer é escrever esse manual do proprietário, com recursos para rápida consulta… ;)

    • Oi, Marly!

      Que bom que curtiu o programa. =)
      Bruxismo é uma parada foda mesmo. Tenho alguns amigos que tem isso também. É uma coisa séria, se não for tratada corretamente, acho que pode prejudicar bastante os dentes.

      Me identifico muito nisso que você falou de estar sempre pensando na próxima coisa a fazer. Essa coisa de ficar ligado na hora pra pegar o transporte e tals… nossa, já passei muito por isso.

      Mas o primeiro passo já foi dado, né? Você percebeu a ansiedade tá incomodando. Agora é ver o que é possível fazer pra conseguir curtir mais o momento e não ficar pensando no futuro. :)

      Obrigado por vir aqui bater um papo com gente! Bjos!

  • Pedro Brisola

    Esse lance de agências exploradoras, é muito verdade! Eu não sei se nós freelances acostumamos a nosso modo “free” de ser, mas eu também tive uma experiência com um estúdio publicitário reconhecido pelos trabalhos que já realizou para marcas nacionais e internacionais, do qual tive a triste ilusão de ter uma oportunidade de conhecimento com eles, mas tive a decepção quando o trabalho era uma exploração criativa, com layouts com velocidade de pastelaria, que passava o dia inteiro preocupado com os prazos e uma puta pressão para entregar tudo com o melhor nível esperado. Eram 3 meses de contrato, tive que pular fora no primeiro mês, para evitar problemas maiores de saúde mental e até física!

    • Eu trabalhei 2 anos em agência. Hoje, passo nem perto, nem por todo o dinheiro do mundo. E minha experiência não chegou nem perto da história de horror que o Walter relatou. Mas é isso… Muita pressão, sempre pouco prazo, pouca noção ou preocupação com o resultado do cliente. Espero que existam outras agência por aí que saiam deste padrão, mas até hoje não ouvi falar de nenhuma :(

      • Vinny Campos

        Sabe que eu nunca gostei também do conceito de agência, até por isso sempre considero que tenho um Studio, além do tamanho, também pelo conceito. Eu tenho uma coceira pra voltar para agências, porque desde que virei freelancer, fui contratado algumas vezes para jobs pontuais, ou de 1 mês. Mas sabe qual a diferença entre ser contratado como freelancer ou como funcionário? Postura! Eu me sentia um super-herói, com poder de falar não, quando eu achava que algo era abusivo, e olhe só, com o poder de ir embora sem culpa. Eu executava meu trabalho sem entrar na pilha do Diretor de Criação ou atendimento. Claro que uma hora ou outra temos que ter empatia e ajudar, afinal, contratam freelancers para atender uma demanda que sua equipe não atende, ou é pelo prazo. Acho que o caminho é o mesmo que a sociedade, a mudança tem que vir de dentro, a revolução tem que vir de dentro. Se todos que pensam diferente viram freelancers ou largam as agências, só o pessoal de cabeça fraca e baixa auto-estima fica lá, sofrendo, porque sempre vai ter alguém que vai aceitar esse tipo de relação abusiva das agências.

        • Vinny sempre trazendo um contra-ponto legal :) Concordo também, gosto deste conceito de “revolução vir de dentro”.

    • com layouts com velocidade de pastelaria

      é foda. isso é muito comum. as agências tão passando por maus bocados, tão perdendo seus talentos pras startups.

      Precisam rever esse conceito de tudo pra ontem sem planejamento. Pressão psicológica fodida nos funcionários.

      Os profissionais tão se ligando que existem alternativas, não precisam mais aceitar isso.

  • Pedro Brisola

    Eu sofro com transtorno de deficit de atenção, e descobri isso com 18 anos, então levei uma vida muito díficil na escola até então. Junto com isso sou muito ansioso, pois minha cabeça é um turbilhão de coisas, e quero fazer e aprender mil coisas ao mesmo tempo, acredito que eu ser assim e ajuda um pouco na criatividade, porem minha produtividade cai por água abaixo fácil fácil.

    Algo que me ajuda a ser menos ansioso, como falado no podcast, é ler e correr. Eu não consigo ficar muito tempo lendo, e antes de dormir tenho foco zero, consegui adaptar na minha rotina 30 minutos de leitura após o almoço, junto com corrida duas vezes por semana e futebol no final de semana. Após eu ter começado a praticar exercícios, tenho muito mais disposição para trabalhar, e a leitura parece que faz meu cérebro estar “lubrificado” o que me ajuda a ter foco. Já tomei medicamentos para foco como Ritalina, mas nunca gostei muito da ideia de que preciso de medicamentos para poder realizar meu trabalho. No fundo, acredito que a gente precisa se conhecer muito bem, e se possível achar as soluções naturalmente e para vencer as dificuldades sem deixar de ser nós mesmos. No fim uma rotina mais saudável acaba por transparecer nos resultados de nossos trabalhos, alavancando ainda mais nossas carreiras.

    • Vinny Campos

      @pedrobrisola:disqus acho que você está no caminho certo, o se conhecer é o caminho. Eu tentaria incluir meditação, que sejam 3, 5 ou 10 minutos. Pode te ajudar a controlar e ainda mais, potencializar a capacidade de lidar com muitas coisas ao mesmo tempo ou a fazer uma coisa do começo ao fim. Tudo é um treinamento. E rotina pra mim é bem complicado, mas é inegável os benefícios que isso traz.

      • Pedro Brisola

        Verdade Vini, já me recomendaram muitas vezes, vou tentar começar. Obrigado pela dica!

        • Recomendo o aplicativo “Calm”. Tem uma versão free e tem coisas pagas. Dá pra usar o free numa boa. Eu passei a usar e gosto.

    • Olá companheiro corredor! :D

      • Pedro Brisola

        =D

  • Ricardo Feller

    Fala aí galera do podcast, curti demais as dicas e experiências que vocês tem compartilhado, tanto que escutei do primeiro ao último em dois dias… Agora preciso de um help, tenho 20 anos, estou no 3 semestre de design, trabalho como assistente administrativo (totalmente infeliz com o trampo) porém preciso de uma renda fixa pra pagar meus estudos, como sou aqui do interior do RS fico meio limitado ao mercado de trabalho, são pouquíssimas agência na minha região, sendo assim muito difícil de conseguir um trampo na área pra obter experiência… Vocês acham que começando como freela seria uma alternativa pra ir fazendo minha própria experiência profissional? Valeu Henrique e toda galera!! Abraço.

    • Oi Ricardo, acho que só de saber que você quer ser designer e estar estudando pra isso, vc já está começando bem. Grana para bancar os estudos é importante, então * neste momento* eu acho que vale manter o emprego. Tenta mudar a sua forma de enxergar ele.. Você pode não gostar do trabalho, mas ele está te dando a possibilidade de estudar o que você quer. E isso é um ponto positivo. Se concentra neste lado positivo e não deixa o lado negativo (vc não gostar do emprego) te consumir. Agora, nada impede que você pegue freelas, de acordo com a sua possibilidade ou até invista em projetos pessoais para dar vazão a este lado criativo que você quer para a sua vida. Projetos pessoais são até bem legais pq te dão experiência, liberdade, sem a pressão do cliente. E podem trazer visibilidade e portifolio. Trazendo clientes depois.

      • Ricardo Feller

        Valeu Dani, vou tentar começar a pensar desta forma, porque no começo eu curtia e parecia que não me desgastava tanto, mas agora ta um saco aguentar porém se vale a pena a gente se esforça e faz acontecer! Obrigado.

    • Fala, Ricardo!

      Cara, quando o pessoal me pergunta sobre o momento certo de começar a trabalhar como freelancer, sempre responto que o ideal é quando você já tem um bom networking, um bom portfólio e experiência em empresas. E isso você só consegue trabalhando no mercado. Acho que enquanto não tiver esses três pontos bem consolidados, é melhor não se lançar como freelancer full-time. Pois pode ser bem sofrido.

      Acho que você tem que entender o seu perfil. De repente você só não está gostando da atual empresa em que trabalha. De repente vai curtir trabalhar em outra. Eu descobri que tinha que trabalhar sozinho quando vi que nunca tava satisfeito nos lugares que trabalhava. Era sempre legal no início e depois acabava me desmotivando. Acho que vale refletir sobre isso.

      Pra quem tá em começo de carreira, recomendo esse post sobre adquirir experiência. Acho que tem dicas bem úteis nele.

      https://goo.gl/NaJk8z

      Grande abraço e obrigado por comentar, meu caro.

      • Ricardo Feller

        Certo mestre, obrigado pela atenção, vou ler o post e focar no meu portfólio mesmo! Valeu.

  • esse comentário não é sobre esta postagem, mas como vi o anúncio “Pesquisa Rápida – Ser Freelancer no Brasil 2016/2017”. a primeira pergunta do questionário já pode desmotivar um tanto de gente. aquele asterisco de obrigatoriedade e aquelas 2 opções são muito século passado. bjas.

    • Obrigado pelo toque, Thiago. Qual seria sua sugestão?

      • da uma uma pesquisada aí né henrique.
        só de ter um campo “outro” já deve aliviar um bocado.

        • Obrigado pelo toque, Thiago.
          Sempre estamos abertos a sugestões por aqui e podemos conversar em um tom bem amistoso. Nosso lance aqui é evoluir sempre. Grande abraço e ótima semana.

  • Hiago Fernandes

    Olá pessoal. Sou Designer Gráfico Freelancer desde sempre. Cara, eu sou um cara bem tranquilo, mas me vi muito ansioso ultimamente. Como Vinão falou, eu ficava enchendo minha mente com os vários projetos e coisas que tinha para fazer e acabava não fazendo nada e ficava me punindo por isso. A ponto de chegar 2:00h da madrugada e eu ficar na frente do computador morrendo de cansaço e ficar pilhado nas coisas que estavam na minha mente e não fazer nada.

    Tenho algumas soluções que estão funcionando para mim. Primeiro eu percebi que isso se dava por uma falta de um planejamento de projeto bem fundamentado e bem feito. Hoje eu defino, exatamente, todas as ações que preciso realizar para entregar o projeto e isso, em conjunto do meu processo criativo, é um santo remédio.

    A outra coisa é que sempre gostei do assunto “PRODUTIVIDADE” e acompanhava alguns blogs. Um dia encontrei um livro no Sebo chamado “A Arte de Fazer Acontecer” de David Allen. Ele ensina um método de produtividade e organização de ações que está mudando minha vida. O método se chama GTD e é muito bom. Se resume em você tirar tudo da sua mente e colocar em um sistema confiável para você. É incrível como você fica mais produtivo e mais tranquilo. RECOMENDO MUITO!

    Também recomendo os pods do Aparelho porque eu dou muita gargalhada com essa galera que vive tanta coisa parecida comigo. Um abraço pessoal.

    • Vinny Campos

      @disqus_xdbvLit8gR:disqus te garanto que aprendemos muito falando no podcast e lendo os comentários, vou atrás desse método GTD pra ontem! Valeu!

      • Hiago Fernandes

        Sério. É muito eficiente e também muito simples de implementar. Claro que tem que ter disciplina para conseguir fazer disso um costume. Mas funciona de verdade. eu estou começando a implementar agora e já está fazendo uma diferença gigantesca no meu trabalho e na minha vida.

        O principal material sobre GTD é o livro “A Arte de fazer Acontecer – Getting Things Done” do David Allen. Quem também fala muito bem sobre o método e organização em geral é Thais Godinho no blog http://vidaorganizada.com/ – Ela é embaixadora do método aqui no Brasil.

        Acho legal que ele fala que nossa mente é ótima em criar, mas não em armazenar. Eu tenho uma ideia ou lembro de algo que tenho que fazer e 1 minuto depois eu esqueço. Ou então acabo adiando muita coisa e esquecendo e depois lembrando de tudo de uma vez e não fazendo nada e adiando de novo e criando um loop. Com o método é possível fazer tudo e o que não vai fazer agora não fica martelando em nossa mente. Enfim… é muito bom mesmo. recomendo pesquisar sobre nesse exato momento.

    • Boa, Hiago!

      Não conhecia esse livro. Me parece bem interessante. Curioso que é uma coisa que já defendi nos posts aqui no Aparelho Elétrico. Esse lance de tirar as coisas da sua mente e anotar em uma planilha de pauta, por exemplo, alivia muito a ansiedade. Eu mesmo comprovei isso. Desde que comecei a organizar minha semana de trabalho, fiquei menos ansioso e estressado. Quando a gente anota tudo o que tem que fazer em uma lista que seja, o cérebro só precisa lembrar da lista e não de todas as coisas que se tem que fazer.

      Bela dica, cara. Grande abraço e obrigado por contribuir.

      • Hiago Fernandes

        O GTD talvez seja o método de produtividade mais eficiente no mundo. O segredo é comprar o livro. Como falei eu comprei em um sebo. Quando vi o livro fique tentando lembrar de onde conhecia ele. Trouxe para casa e – BAAAM – tem mudado minha vida. os R$ 10,00 mais bem pagos. kkkk

        Acho que a maior revolução foi criar listas de AÇÕES! Tenho la minha lista de etapas do projeto, mas tenho uma lista só para ações por contexto. Por exemplo: @computador, @casa, @celular, @rua… Isso me permite entrar no modo “EXECUTAR TAREFAS”. O contrário de quando eu entro na lista de etapas do projeto e minha mente começa a entrar no modo “ORGANIZAR” e sair do modo “EXECUTAR TAREFAS”.

        O lance é que as listas de organização não são ações. “Criar logo de fulano” não é uma ação. É um projeto. Assim como “criar o símbolo da logo de fulano” também não é uma ação. É uma etapa do projeto. Quando não especificamos uma ação concreta, isso nos deixa engessados. Boas ações nesse caso poderiam ser: “pesquisar simbolos de referência, rascunhar símbolos de acordo com a pesquisa…”

        Cara… sério… coisas tão simples que mudam a vida de uma forma incrível. Todo mundo deveria conhecer esse livro.

        Um abraço especial para @waltermattos:disqus que está sempre dando uns feedbacks bem legais, @henriquepcm:disqus por fazer isso tudo acontecer, @disqus_ED6tid9eeH:disqus por escrever um conteúdo tão rico la no Medium, Thalitta por mostrar um pouco do lado revoltado que todo profissional tem kkk, @vinnycampos:disqus por compartilhar de sua experiência pessoal e profissional de autoconhecimento e muitas outras coisas. (Cadê as músicas? kk)
        Vlw galera. Abração.

        • Excelentes dicas, Hiago. E obrigado você pela menção e, principalmente, pela informação compartilhada. Bem bacana!

    • Olha quem apareceu por aqui! :D

      • Hiago Fernandes

        kkkkkk – Estou sempre por aqui. kkk

  • Bruno Borger

    Esse episódio que o Walter comentou sobre as agências sugarem toda sua alma é bem verdade. Infelizmente isso também já aconteceu comigo e com muitos dos meus amigos, da área. É algo que já está arraigado nesse meio de agências de propaganda. Para comentar um caso, um colega meu de profissão relatou que ele já trabalhou numa agência onde às 19h (horário de largar), o diretor descia as escadas para checar quem já havia realmente ido embora para casa. Se alguém já tivesse ido, ele pegava essa pessoa pra conversar no dia seguinte para saber o porquê de ela ter ido embora às 19h rsrs. Triste para não dizer trágico.

    E sobre o assunto principal do podcast, achei sensacional. O tema foi muito bem abordado (como sempre) e me ajudou inclusive numa crise de insônia. Tenho problemas para conseguir dormir quando estou muito ansioso e, por incrível que pareça, escutar vocês falando sobre o assunto me acalmou e me fez pensar sobre uma perspectiva mais prática sobre isso. “Ansioso” para o próximo podcast :P

    • Fala, Bruno!

      É, essa jeito de operar das agências é bem complicado. Tudo pra ontem, sem muita organização e planejamento. Há profissionais que toleram isso e conseguem crescer e se destacar em um ambiente assim. Mas não são todos que tem esse perfil. As agências hoje estão perdendo ótimos profissionais para carreiras freelancer, para startups e outras iniciativas que valorizam profissionais competentes e criativos e não apresentam as mesmas condições de trabalho.

      Legal que curtiu o tema do podcast e que contribui pra tua noite de sono. Em breve terá podcast novo no ar. Grande abraço e obrigado por contribuir com o papo.

  • Raphael Fratel

    Sensacional!!!! (Estou preguiça de digitar mais elogios)

  • Belo comentário, Tati! Por alguma razão o Disqus marcou como spam e não enviou nenhuma notificação pra mim. Agora consegui destravar aqui. Vou ficar mais esperto para os próximos.

    Como sempre, uma grande contribuição. =)

    Pô, e demais essa ideia do post sobre déficit de atenção. <3

    • TatiHardt

      Bah, já deu até pra eu voltar a correr nesse tempo todo hahah.

      Tenho vários textos começados, uma hora dou um trato neles e posto aqui :D

  • Fernando Mota

    Me identifiquei com mto do que foi falado aí..
    Sou extremamente ansioso! Paraliso sempre, tenho tiques, não durmo bem, stress, concentração ZERO..
    Fui buscar ajuda agora esse ano! Por não conseguir dar o primeiro passo pro meu portfólio (e fico mto na bad por isso).

    • Fala, Fernando!

      Bacana que você conseguiu identificar que buscar uma ajuda era o caminho. Agora é só questão de tempo para as coisas irem pro lugar de novo. Logo, logo seu portfólio sai e tá tudo certo. ;)
      O lance é sempre seguir em frente, consertar a roda com o carro andando.

      Grande abraço!

  • Grande Walysson! Sempre contribuindo nas discussões com pontos bastante interessantes. Muito legal esse método que você desenvolveu, cara. Já fica a dica aí pro pessoal, a gente pode encontrar o nosso jeito de fazer as coisas também.

    Muito obrigado pelo comentário sincero e honesto, meu caro. Grande abraço!

Publicidade
MAIS DE 8.000 PRofissionais independentes Já recebem ANTECIPADAMENTE AS nossas atualizações.
Cadastre-se na nossa newsletter e receba “O Incrível Manual do Freelancer Moderno” direto no seu e-mail, sem pagar nada por isso.
 Sempre enviamos conteúdo relevante, sem spam. E você pode se descadastrar quando quiser.