Como a economia colaborativa está revolucionando a vida de freelancers
 Publicado: 05/12/2015 Atualizado: 25/05/2017

Como a economia colaborativa está revolucionando a vida de freelancers

A troca de serviços consolida a visão de que juntos podemos ser mais fortes.
  Por Renato Contaifer
Que tal oferecer seu serviço em troca de outro?
Se você trabalha em tempo integral como freelancer, participe da nossa pesquisa Perfil do Freelancer no Brasil 2018. É simples e rápido. Em 5 minutos você responde tudo.

Assim que chegarmos a 1.000 respostas, essa janela chata some daqui. Ajude a gente compartilhando o link da pesquisa. Obrigado! :)

Os modelos de colaboração entre redes de pessoas e instituições são uma tendência forte hoje em dia, entretanto não representam um conceito novo. Desde os tempos do escambo, a partir do momento em que existe uma relação de confiança, pode haver uma co-laboração ou permuta.

 O fenômeno de possibilidades que a tecnologia e a internet abrem, tem um impacto intenso nas relações sociais, no empreendedorismo e também nas relações profissionais. São criadas outras formas de fazer motivadas pela vontade de realizar algo em conjunto, trazendo vantagens para todos e inclusive incentivando a redução do consumismo. As necessidades se conectam com as habilidades, sem necessariamente ter uma transação financeira envolvida.

 As startups Airbnb e Uber trouxeram uma visão similar, rompendo com o formato tradicional e se utilizando fortemente do design de serviços para proporcionar experiências diferenciadas. O resultado é uma adesão imensa e também uma grande polêmica gerada por questões como regulação e livre concorrência.

Do ponto de vista do profissional freelancer, esse formato mais aberto e colaborativo representa um espaço enorme para realizar atividades em que pode-se contribuir, experimentar, aprender, e de quebra obter uma maior viabilidade econômica. Pessoas que decidem seguir um caminho alternativo ao sistema empregatício tradicional muitas vezes encontram uma eficiência maior no modelo colaborativo e criativo.

O freelancer tem espaço para empreender, economizar e ampliar o networking. Os próprios espaços de co-working materializam o conceito de compartilhamento – nesse caso de um espaço de trabalho onde os benefícios e experiência podem ir além de apenas um “escritório temporário”. É também uma forma de expandir a conexão em rede e ter acesso direto a múltiplos atores. Por exemplo, um web designer freelancer em algum momento precisará contar com um web developer, um fotógrafo e vice-versa. São inúmeras as possibilidades.

nos-coworking-porto-alegre
Foto: Divulgação Nós Coworking

Para muitos, é tempo de fazer a diferença e as pessoas estão enxergando isso. Abrem-se as oportunidades e quem se descobre em algum caminho “autônomo” precisa se reinventar, surfando na onda de toda mudança que o mundo está vivendo, fazendo valer a sua “autonomia”. A troca de prestação de serviços consolida a visão de que juntos podemos ser mais fortes e realizar muito mais do que apenas entregar um trabalho. A atividade tem o poder de conectar pessoas, interesses, culturas e experiências.

Viajar para outros países também passa a ser algo possível e viável para o freelancer que deseja viver a experiência dos nômades digitais. Recentemente conheci um site que me fez abrir a mente sobre tudo isso. O Worldpackers, proporciona essa oportunidade para profissionais autônomos. O serviço conecta as necessidades com as soluções. Lá você pode viajar para diversos lugares do mundo, obtendo hospedagem, alimentação e outros benefícios em troca de prestar serviços de acordo com suas habilidades.

Em momentos da minha carreira como freelancer, utilizei do modelo colaborativo e isso fortaleceu bastante a conexão entre os envolvidos. Um fato muito interessante que podemos observar nesse movimento é o ressurgimento da confiança como elemento que estabiliza as relações. Para funcionar bem é preciso ter total responsabilidade e comprometimento, de ambos os lados.

Não sabemos o futuro do modelo colaborativo e as implicações que podem ocorrer, mas imaginando isso em uma escala ampla e variada, seria uma revolução do ponto de vista econômico e das relações sociais. Em tempos que se fala de crise econômica, o freelancer tem em suas mãos a possibilidade de criar e experimentar os mais diversos formatos livrando-se de padrões estabelecidos para alavancar sua carreira profissional e experiências de vida.

 

Todas as informações contidas neste artigo são de responsabilidade do seu autor e não necessariamente refletem a opinião do site. Quer publicar suas ideias no Aparelho Elétrico? Colabore.

Curta o Aparelho Elétrico no Facebook
Hey, GOSTOU DESTE POST?
Assine GRÁTIS nossa newsletter e receba nossas atualizações antes de todo mundo.

Você ainda leva uma cópia do “O Incrível Manual do Freelancer Moderno” direto no seu e-mail e sem pagar um tostão por isso.
 Enviamos conteúdo relevante, sem spam. E você pode se descadastrar quando quiser.
Publicado por:
Renato Contaifer Começou a trabalhar com design em 2009. Construiu sua experiência em projetos digitais e logo migrou para o desenvolvimento front-end. Trabalha remotamente há 5 anos e é entusiasta do estilo de vida que o home-office pode proporcionar. Você pode conferir alguns de seus projetos no seu site.
Recomendados para você
 geral
Trabalhar em um hostel em troca de comida e acomodação pode ser um bom ponto de partida.
  Por Tatiane Hardt
Participe da Conversa
Publicidade
MAIS DE 9.000 PRofissionais independentes Já recebem ANTECIPADAMENTE AS nossas atualizações.
Cadastre-se na nossa newsletter e receba “O Incrível Manual do Freelancer Moderno” direto no seu e-mail, sem pagar nada por isso.
 Sempre enviamos conteúdo relevante, sem spam. E você pode se descadastrar quando quiser.