Melbourne para freelancers e criativos em geral
 geral
 Publicado: 22/02/2016 Atualizado: 20/06/2017

Melbourne para freelancers e criativos em geral

Pensando em passar um tempo fora do Brasil? Descubra por que você deveria considerar Melbourne, na Austrália, como o seu próximo destino.
  Por Henrique Pochmann
Flinders Station

Todo texto que fala sobre Melbourne começa dizendo que a cidade já foi eleita diversas vezes a melhor cidade pra se viver do mundo.

Quem sou eu pra quebrar essa tradição? Pronto, agora já tá aí a informação. Vamos adiante.

Mas o que faz dessa cidade tão especial?

Melbourne é a capital cultural da Austrália e tem muito a oferecer pra qualquer pessoa, independente da sua atividade profissional. Mas, ao meu ver, ela cai como uma luva pra criativos e pra quem gosta de trabalhar de forma independente.

Abaixo eu explico melhor.

Você pode andar pra lá e pra cá com o notebook embaixo do braço

Se você mora em uma capital como São Paulo, Rio de Janeiro ou Porto Alegre, sabe o quanto é arriscado se deslocar com o seu computador. O risco de ser assaltado e perder todos os seus arquivos é altíssimo.

Aqui você pode andar pra lá e pra cá tranquilamente. O risco de ser assaltado é quase nulo. Cansei de andar na rua, por volta da meia-noite, com o celular na mão. E vou e volto da biblioteca, onde costumo trabalhar, sem preocupação alguma.

Relaxa, você vai chegar na reunião na hora marcada

tram-melbourne

O transporte funciona muito bem aqui. Existem várias opções à disposição: train, tram, ônibus, táxi, uber… você escolhe. E não vai ficar preso por horas no trânsito.

Existe ainda uma “Free Tram Zone” na city. Você não paga nada pra usar o Tram dentro dessa área. Legal né?

Pra usar os meios de transporte aqui, é necessário o myki card.

myki-card-melbourne

Você pode fazer o seu em diversos pontos da cidade. É só ficar de olho nos estabelecimentos com um banner como o da foto abaixo.

myky-em-melbourne-estabelecimento-conveniado

Ou se preferir, pode fazer direto nas máquinas azuis localizadas nas estações de metro e em algumas paradas de Tram.
maquina-myky-melbourne-flinders-street

E o governo do Estado de Victoria, onde Melbourne está localizada, disponibiliza um aplicativo pra celular que fornece todas as informações pra você ir do ponto A ao ponto B sem dores de cabeça.

Se você curte se deslocar de bicicleta, Melbourne foi feita pra você. A cidade é totalmente bike friendly. Praticamente todo mundo tem uma “magrela” aqui. E os motoristas e ciclistas estão habituados a dividir o espaço nas ruas.
bicicletas-flinders-street-melbourne

 

Trabalhe em uma estrutura confortável sem pagar um tostão

 

A photo posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

Na State Library of Victoria você simplesmente entra, senta confortavelmente em uma cadeira bem estofada, coloca seu notebook sobre uma mesa espaçosa, conecta-se a rede wi-fi grátis e começa a trabalhar.

state-library-of-victoria

 

Precisa recarregar o computador ou o celular? Tem sempre uma tomada ao lado à disposição.

Ah, chegou tarde? Não tem mais mesa disponível? É só andar algumas quadras e tentar a sorte na Melbourne City Library. Lá você também encontra uma bela estrutura e acesso free à internet.

melbourne-city-library

Tudo de graça. Sem agendar. Sem cadastro.

 

A cidade tem vários pontos com wi-fi grátis

Que tal responder seus e-mails a cada dia de um ponto diferente? Melbourne é uma cidade onde o acesso à internet é facilitado.

Além das duas bibliotecas que já citei, você também encontra wi-fi grátis na Federation Squarefederation-square-melbourne

No Queen Victoria Marquetqueen-victoria-market-melbourne

No Melbourne Museum.
melbourne-museum

Bom, o local você escolhe. Wi-fi não falta.

 

Abaixo o bloqueio criativo. Melbourne é inspiração até o talo.

Começa pela marca da cidade. Se liga como é cool.marca-da-cidade-de-melbourne-na-australia

 

Na primeira manhã aqui, abri a janela do quarto e dei de cara com balões sobrevoando a cidade.

 

A photo posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

O cartaz mais fuleiro que você vê na rua foi feito por um designer competente.cartazes-design-melbourne-australia

As ruas do centro da cidade tem cheiro de café. Tem coffee shops por toda a parte.
coffee-shop-melbourne

Tem músicos incríveis se apresentando em toda esquina. Aperta o play no vídeo abaixo.

 

A video posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

E que tal ir arejar a cabeça em uma das diversas praias que formam a Baía de Port Phillip, onde Melbourne está situada?

 

A photo posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

Ah, não gosta de praia? Então pra você tem um rio que corta a cidade, o Yarra River.

yarra-river-melbourne-australia

 

Que tem uma cara bem mais sedutora durante à noite.

 

A photo posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

Tem ainda praças e parques por toda a parte. Um programa bem típico aqui é juntar a galera e ir para um parque fazer um barbecue
flagstaff-gardens-melbourne

 

Você curte Street Art? Melbourne é um prato cheio. Aqui você encontra diversas ruelas, as chamadas Lanes, totalmente cobertas por grafite. Acho que a mais famosa é a Hosier Lane.

 

A photo posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

Até o Banksy, o mais famoso artista de rua do mundo, já passou por aqui.

 

A photo posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

Melbourne também inspira pelas iniciativas inusitadas.

Já pensou ir a um restaurante, comer o quanto der na telha e pagar quanto quiser? Pois é… no Lentil as Anything é assim. Acredite se quiser.

lentil-as-anything-abbotsford-melbourne

 

E a comida é muito boa, apesar de ser bastante apimentada. Quando passei por lá ainda tinha uma banda de jazz tocando com instrumentos antigos. Legal pra caralho!

Foto do rango abaixo.

 

A photo posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

Outra iniciativa legal é a de uma mini biblioteca. Na The Little Library, você pega um livro e deixa outro no lugar, se quiser. Sem burocracia, sem falar com ninguém. Tudo na base da confiança.

Por favor, nada de aplicar o jeitinho brasileiro aqui, ok? 

 

A photo posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

Outra coisa legal que vi é esse restaurante montado dentro de um antigo Tram, o The Colonial Tramcar. Você pode jantar ao mesmo tempo em que passeia pela cidade.

 

A photo posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

E não para por aí. Ainda tem museus, eventos e exposições legais. Como por exemplo essa, do Andy Warhol, que pretendo visitar em breve.

exposicao-andy-warhol-melbourne

 

E pra finalizar a área de “inspiração” deste post. Uma ótima pedida também é o ACMI, uma espécie de museu dedicado a imagem e cultura digital. Tem várias coisas legais pra ver por lá. Por exemplo: uma estatueta original do Oscar doada pela Cate Blanchett e uma réplica do carro usado no filme Mad Max. E outras coisas interessantes como essa no vídeo abaixo. Aperta o play aí!

 

A video posted by henriquepcm (@henriquepcm) on

 

Ok, a cidade é incrível. Mas e como fazer negócios em Melbourne?

É importante fazer negócios locais pra faturar em dólar e não perder grana na conversão.

Meu primeiro mês aqui foi dedicado à busca por um quarto mais barato pra ficar e também à tradução do meu site para o inglês. Por acaso, as duas coisas meio que acabaram convergindo.

Descobri, no site Flatmates, uma redatora australiana que tinha um quarto vago no apartamento dela. Acabei não mudando pra lá, mas chamei ela pra revisar o inglês do meu site. E agora já estamos trabalhando em um outro projeto juntos. A dica é sempre ficar de olhos abertos pra fazer networking.

Desde que o site em inglês foi pro ar, pessoas daqui passaram a me encontrar no Google. Primeiro foi um cara me convidando pra fazer parte de um catálogo virtual de freelancers. Depois foi um prospect querendo melhorar seu marketing digital.

As oportunidades estão surgindo. E o que fiz foi apenas o tema de casa. O básico. Dá pra fazer muito mais.

Por exemplo:

– Divulgar meu site em grupos do Facebook;

– Participar de reuniões do site Meet Up;

– Contatar outros freelancers que possam oferecer meus serviços como um complemento aos seus clientes;

– Facebook Ads;

– Google Ads;

Prospectar clientes diretamente.

Mas nem tudo são flores. Existem duas grandes barreiras.

Uma é a língua. Nessa eu me viro legal, minha gramática tem muito que melhorar ainda, mas consigo me comunicar na boa. Até já coloquei um post aqui dando umas dicas pra melhorar o inglês.

E a outra barreira é a disponibilidade de tempo. Minhas aulas aqui vão todos os dias até às 14h45. Ou seja, não restam muitas horas úteis disponíveis pra trabalho. Não dá pra pegar mais job do que se pode entregar. Se você está pensando em fazer um intercâmbio e trabalhar como freelancer ao mesmo tempo, precisa pensar nisso.

 

Burocracia ou Desburocracia

Aqui as coisas funcionam muito rápido, sem frescura. Na primeira semana, abri minha conta no Commonwealth Bank. É importante ter uma conta local pra ter agilidade no uso do dinheiro e também acho que você ganha uns pontos com clientes locais. Já pensou um cliente australiano tendo que depositar no Banco do Brasil? Que dor de cabeça.

Com a conta aberta, você vai ter o número do seu BSB, um código que indica o número da sua conta bancária. Clientes vão pedir o seu e você vai pedir o dos seus fornecedores.

Logo que chegar aqui, é importante solicitar também o Tax File Number (TFN), uma espécie de registro pra você declarar impostos e receber benefícios do governo. E você depende do TFN pra solicitar o Australian Business Number (ABN), que é como se fosse o CNPJ local.

O legal é que você pode fazer a solicitação desses documentos online, sem fila, sem enrolação e ainda recebe o registro na sua casa. Viva a Austrália!

 

Custo de vida em Melbourne

Depende muito do seu estilo de vida. Em que bairro quer morar? Que tipo de comida consome? Você curte balada? Não fica um mês sem comprar roupas e calçados? Isso é bem particular.

Em média um quarto só pra você, no centro de Melbourne, dividindo o apartamento com mais pessoas, custa em torno de $ 230 (AUD) por semana. E na maioria dos casos, os quartos não tem janela pra rua. Mas em compensação, alguns prédios tem piscina, sala de jogos e academia à disposição.

No supermercado, se você quer economizar, a dica é comprar tudo Home Brand (produtos de marca própria). As maiores redes daqui, Coles e Woolworths oferecem opções de produtos próprios bem em conta. Tem de tudo, arroz, ovos, doritos e até refrigerante.

Comprando Home Brandeu gasto cerca de $20 a $30 para as compras de uma semana inteira.

Prefere comer na rua?

Antes eu já citei aquele restaurante que você paga quanto quiser, lembra? Uma outra opção, porém mais junkie, são as pizzas de $ 5 dólares da Domino’s. Se você não estiver com muita fome, até rola dividir entre duas pessoas.

Agora deixando a comida de lado pra falar um pouco de cerveja.

É bem caro beber aqui. O lance é aproveitar as promoções. Os estudantes curtem muito ir no Asian Beer Cafe, que tem uma sacada bem legal e a jarra de Sumo Beer custa $ 8 dólares das 16h às 20h.

Outra opção acessível é o Equinox, eles também tem jarras de ceva em torno de $8 dólares em determinados horários.

E talvez você ainda se interesse pelo European, um pub que tem uma decoração clássica na parte de baixo, e na parte de cima tem um rooftop com uma pegada mais moderna. Lá as cevas custam a metade do preço nas segundas-feiras. Rola tomar um pint de uma boa cerveja por apenas $ 5 dólares.

 

Finalizando

Melbourne é um cidade que recebe muito bem imigrantes. E com freelancers não é diferente. A cidade tem toda a estrutura necessária pra você desenvolver o seu trabalho aqui. E pra ter sucesso, basta fazer o dever de casa e correr atrás das oportunidades.

Espero que este post tenha te inspirado a visitar Melbourne e quem sabe ainda fazer alguns business em terras australianas.

Tem alguma dúvida sobre a cidade? Quer acrescentar algum ponto importante que eu esqueci de citar? Usa a caixa de comentários abaixo. Vou curtir muito trocar uma ideia com você.

 

Só mais uma coisa…

Se você acha que este conteúdo é útil, por favor, compartilhe ele com seus amigos. Isso ajuda o Aparelho Elétrico a continuar publicando conteúdo relevante e gratuito pra todo mundo que trabalha como freelancer.

Quer ser avisado de novas publicações? Cadastre seu e-mail na caixa abaixo.

 

Grande abraço e até o próximo post!

Hey, GOSTOU DESTE POST?
Assine GRÁTIS nossa newsletter e receba nossas atualizações antes de todo mundo.

Você ainda leva uma cópia do “O Incrível Manual do Freelancer Moderno” direto no seu e-mail e sem pagar um tostão por isso.
 Enviamos conteúdo relevante, sem spam. E você pode se descadastrar quando quiser.
Publicado por:
Henrique Pochmann
Criou o Aparelho Elétrico em 2014. Produz e apresenta o podcast do blog. Trabalha com marketing digital desde 2002. Quer mais tempo para colocar outros projetos em prática, quer uma bicicleta e quer uma bio mais legal também.

Recomendados para você
 geral
Esta cidade da Tailândia - que atrai nômades digitais do mundo todo - conquista pelo networking, mas deixa a desejar na qualidade de vida.
  Por Vinny Campos
 geral
A segurança, a cultura e o custo de vida baixo fazem de Lisboa uma ótima opção pra quem quer morar fora do Brasil.
  Por Carolina Machado
Participe da Conversa
  • Elvis Benício

    Boa Henrique! Como fica a parte de prospeccao e networking? Behance, eventos, meetUp?

    • Fala, Elvis!

      As coisas vão acontecendo bem ao natural aqui. Se você vier pra estudar é melhor, porque já vai conhecer um monte de gente na escola. Fora isso, pode usar o grupo dos brasileiros aqui em melbourne e frequentar várias reuniões do meetUp, tem várias coisas acontecendo aqui. A galera é muito ativa.

      Fora isso, ainda tem os churrasco que os brasileiros adoram organizar por aqui.

      Ainda não tive que prospectar pesado, as coisas tem ido bem. Talvez nos próximo mês tenha que me puxar mais nessa parte. Veremos.

      Grande abraço… obrigado por comentar!

  • TatiHardt

    Quero *-* Tem boas opções vegetarianas por aí?

    • Vem, Tati!

      Tem sim.. Melbourne é recheada de bons restaurantes. Se come muito bem por aqui.

      Por exemplo, o restaurante que citei no texto, o Lentil As Anything é comida vegetariana. Come o quanto quiser e paga o quanto quiser também. Doido né?

      Abraço grande e obrigado por participar. :)

      • TatiHardt

        Ía comer lá todo dia hahahah. E você já se acostumou com o sotaque daí? Eu tenho um cliente australiano e a gente só se fala por texto, mas vez ou outra tenho que pesquisar alguma palavra esquisita que ele fala lol. E tá curtindo as aulas?

        • Me acostumei com os Australianos que moram aqui em Melbourne. Mas quando vou pro interior é muito difícil de entender, o sotaque é bem carregado.

          As aulas às vezes são um pouco chatas, porque as pessoas tem níveis diferentes em cada habilidade, alguns escrevem melhor, outros tem um bom ouvido… se você tem uma boa compreensão e fica assistindo o mesmo vídeo várias vezes, se torna meio cansativo.

          Mas por outro lado, as aulas são legais pra entrar em contato com culturas diferentes. Na minha turma já teve suíço, mexicano, colombiano, chinês, japonês, tailandês, vietnamita, espanhol, italiano… tem de tudo. É muito legal conversar com eles pra ver as diferenças.

  • Poxa, Henrique, mais um post com conteúdo de qualidade, super bem explicado e sincero. Confesso que me deixou tentando a experimentar em breve uma empreitada semelhante a essa. Valeu pela contribuição! Abraço.

    • Grande Alexandre!

      Cara, se você tiver a oportunidade de vir, tenho certeza que vai ser uma experiência válida. Seja pra 1 ano, 6 ou 3 meses. É bom pra termos uma base de comparação com o Brasil.

      Às vezes a gente perde o parâmetro e passa a tolerar coisas que não deveríamos. Uma viagem como essa acaba nos dando um puta sacode. Agora eu vejo o quanto o Brasil precisa evoluir.

      Grande abraço e obrigado por participar.

  • Marcelo Mattos

    Esse post é bem inspirador para o fato de queremos isso tudo aqui no nosso país! É como você disse: “- sem o jeitinho brasileiro”.

    • Sim, Marcelo!

      Isso é o que mais entristece. A gente viaja e vê quanto o nosso país tá atrasado em muitas coisas.
      Sonho em ver um Brasil melhor. Quem sabe um dia.

      Grande abraço e obrigado por participar.

  • João Marcos Rosa

    Que post irado cara! Cafezinho, pizza, biblioteca… que maravilha.

    • Fala, amigo João!

      Melbourne é uma cidade foda pra caralho! Complicado é manter o alto custo de vida, tem que ralar bastante. Então, nem tudo são flores… :)

      O blog tá à tua disposição, quanto quiser publicar outro artigo.

      Grande abraço!

  • Guilherme Ragazzo

    Que foda Pochmann !
    estarei por ai . .

    e quanto a valores dos jobs em comparação com os valores cobrados no Brasil ..
    Você manteve, ou reavaliou seus preços?
    Cara, muito legal..
    Valeu mesmo!

    • Fala, Guilherme! Eu ainda não estou bem seguro sobre qual estratégia adotar.

      O que eu tenho feito é cobrar o mesmo valor, porém em dólar. Às vezes dou até um pequeno desconto. Porque com um dólar aqui você compra mais coisas do que um real no Brasil.

      É o que tenho feito pra sentir o mercado em um primeiro momento.

      Grande abraço e obrigado por participar, cara!

  • Pô Henrique, me segunrando pra não sentir inveja de ti!! Aproveita cara. Meu sonho é levar minha esposa e minha filha para a Austrália, viver aí, viver da minha vida de programador… muito legal!

    • Fala, Vanderlei! O mercado de TI aqui tá bombando, cara. Te organiza aí e vem viver essa experiência. Querendo trocar uma ideia, tô à disposição. Abraço!

  • Bem legal! A Austrália tem as portas abertas para profissionais criativos e tem muitas empresas com esse perfil. Parabéns pelo post.

    • Grande Carlos! Que bom que curtiu. Muito obrigado por registrar a participação aqui. Abraço!

  • Déia Araujo

    Baita post, Ique! Sucesso aí :D

  • Tuta Santos

    This great post may have changed my life. I have an income from applications here in Brazil, it will help me in the first months. Thinking seriously about going to live there. Besides advertising and design, I can work with wood or build and repair guitars. How about legality, do you have a time to be in the country? Thanks, Kurt, I mean, Henrique.

    • Hey, Tuta!

      My visa goes till may. But I know some people here who have a visa per 3 months, and others who have visa per 3 years. It depends on your goal here.

      There are a lot of papers that you have to fill, it includes write a letter to the government and go through some medical exams.

      It’s not so simple to come to Australia. I would recommend you talk with a immigration agent or a travel agency. Each case is different.

      I hope these informations help you a bit. Thanks for the comment!

      • Tuta Santos

        Great help. Hope I can see you there and tell your pals your nickname here in Brazil.

  • Fala, Henrique!
    Lindo post!

    Como vão as coisas por aí?

    Sempre tive desejo de estudar/trabalhar fora do Brasil (por motivos óbvios hahah), mas isso ainda me parece meio distante.

    Conta um pouco mais sobre o mercado, como você vê a oferta/demanda de freelas, a média de preços… Tenho vontade de “desbravar essa selva” fora do Brasil, mesmo vivendo aqui. Acha válido? Como foi pra você o processo de tradução do site?

    Fiquei encantado com Melbourne, mas como é o clima por aí? Moro no Rio e aqui os climas são: calor e calor pra caralho.

    A galera dançando com os músicos no meio da rua foi maneiro pra caralho! :D

    Grande abraço!

    • Opa, Igor! Tudo bem?

      Tudo certo por aqui!

      Cara, eu estou aqui há apenas 3 meses e vou ficar mais 3. Então minha experiência é bastante rasa, não tenho como retratar com 100% de fidelidade o que é o mercado. Mas pelo que tenho visto, existe muita oportunidade. O lance é ir atrás de networking como citei no post.

      Melbourne é uma cidade de gente criativa, é a capital cultural da Austrália.

      Aqui tá acontecendo um movimento parecido com o do Brasil, muitos profissionais estão buscando trabalhar por conta própria. Abrem sua startup, investem na sua carreira freelancer ou montam outros negócios.

      Como no Brasil, o freelancer aqui tem que saber se colocar no mercado. Tem que se apresentar bem, ter um bom site.

      Eu acho que você deve tentar contatos fora do Brasil, porque faturar em dólar, euro ou libras é melhor. Mas não basta apenas traduzir seu site. Tem que ter o site e correr por fora, buscar relacionamentos. Dificilmente um cliente de fora vai te achar no Google e fazer business com você, enquanto você está no Brasil. Isso só acontece se você tem uma habilidade muito particular.

      Teve um prospect aqui que trocou alguns emails comigo. Orcei pra ele um site novo. Fizemos tudo por e-mail e telefone. Ele me encontrou pelo Google buscando por designer em Melbourne. Talvez passássemos por todo o processo do projeto à distância, sem nunca um olhar na cara do outro. Mas pros clientes é importante ter a sensação de que a pessoa está próxima, na mesma cidade.

      Outra dica é procurar países que não tenham um horário tão diferente do Brasil. Tenho achado ruim me comunicar com os clientes do Brasil. Quando estou começando o dia aqui eles estão terminando e vice-versa.

      O processo de tradução do meu site foi simples. Na verdade eu já havia traduzido com minhas palavras e mandei pra uma colega australiana revisar. Ela corrigiu minha gramática e adaptou o texto pra realidade aqui da Austrália. E foi bem rápido, em dois dias ela me enviou o material.

      O clima aqui em Melbourne é bizarro. Tem as quatro estações no mesmo dia. O verão é legal, tem um dias bem quentes, mas nada impossível de lidar. E os dias são bem longos, escurece pelas 21h mais ou menos. Não passei o inverno aqui, mas dizem que é bem rigoroso… dizem que por volta das 17h já começa a escurecer. Felizmente não vou pegar essa etapa. Volto pro Brasil no final de maio. :)

      Bom, espero ter respondido um pouco.

      Grande abraço e obrigado por participar, meu velho.

      • Show de bola, cara!

        Saquei tua ideia e faz total sentido! Tenho esse desejo a algum tempo e vou me organizar pra colocar isso em prática.

        Muito obrigado pelo seu tempo, pelas respostas e pelas dicas preciosas. Me ajudou bastante e tenho certeza que vai ajudar a galera também!

        Tamo junto!

        • Legal, Igor! Depois volta aqui e compartilha com a gente tua experiência! :)

          Abraços!

  • Emanuel Barbosa Gonçalves

    Nossa cara deu uma vontade gigante de conhecer e me estabelecer em Melbourne. Uma dúvida que me surgiu foi quanto ao estudo. Tem locais bons pra se fazer uma pós-graduação, as universidades são boas ou tem alguma próxima de Melbourne? Valeu pelo post!

    • Oi, Emanuel! Não te culpo pela vontade de conhecer Melbourne.. a cidada é f*** mesmo. :)

      Eu não visitei as universidades lá, mas conheci algumas pessoas que estavam no programa Ciência sem Fronteiras. Nunca vi alguém falando mal da estrutura ou algo assim. Acho que as impressões são boas. O que lembro de ter ouvido muito lá é que o estilo de ensino é diferente do Brasil… parece que os professores te deixam mais solto para correr atrás das coisas, é tua responsabilidade estudar e avançar no estudo, eles não ficam te cobrando ou aliviando prazos… o interesse é teu. Quer aprender? Corre atrás! Lá professor não é babá. Inclusive muitas disciplinas são feitas à distância.

      Seguem os links de algumas universidades de lá:

      http://www.unimelb.edu.au/
      http://www.monash.edu/
      https://www.rmit.edu.au/

      Espero ter te ajudado um pouco. :)

      Grande abraço e obrigado pelo comentário.

  • Fala, Filipe!

    Legal receber esse feedback de alguém que entende de Melbourne. Acabei de baixar o teu eBook e é uma mão na roda para iniciantes e iniciados. Parabéns pelo trabalho! Gostaria de poder ter tido acesso a esse material quando cheguei na Austrália, teria sido uma grande ajuda.

    Grande abraço e obrigado por comentar.

    • Filipe Paiva

      Caraca! Acredita que apaguei o comentário sem querer?!

      Bom… saiba que divulguei seu site no grupo de WhatsApp que administro e que tem vários brasileiros empreendedores. Todos adoraram!

      Segue de novo o guia do e-book, caso mais alguém queira baixar:

      https://itun.es/br/lb9Yfb.l

  • Priscila Bulbarelli Ferreira

    Faz um Podcast, por favoooorrr! Nunca te pedi nada.

    • Seria legal né, Priscila? Já pensei muito nisso, mas eu teria que achar outros profissionais que moram ou já moraram lá pra compor a mesa. Quem sabe mais pra frente rola. ;)

Publicidade
MAIS DE 8.000 PRofissionais independentes Já recebem ANTECIPADAMENTE AS nossas atualizações.
Cadastre-se na nossa newsletter e receba “O Incrível Manual do Freelancer Moderno” direto no seu e-mail, sem pagar nada por isso.
 Sempre enviamos conteúdo relevante, sem spam. E você pode se descadastrar quando quiser.